Continua repercutindo de forma negativa a declaração do apresentador de TV, Luciano Huck, que disse que “é preciso mudar o foco” da Zona Franca de Manaus, que deve mudar a produção de eletroeletrônicos para dar lugar à biotecnologia.

A declaração foi feita ontem à noite e irritou empresários e representantes do setor industrial do Amazonas, que exigiram uma retratação do apresentador de TV.

Na avaliação de Luciano Huck, o mundo tem grande interesse nos produtos feitos com insumos da floresta, como perfumes, cosméticos e alimentos regionais. “Por que a gente não usa toda essa potência que a Zona Franca tem, que é importante para região, mas muda o foco?”, questionou o apresentador.

Na mesma declaração, Huck ironizou que na ZFM são produzidos “tanques de gasolina de motocicleta”, passando a impressão que no Amazonas não existem fábricas de motos, apenas montadoras de motocicletas.

A afirmação infeliz causou mal estar junto às empresas do polo de duas rodas instalado na ZFM, onde se encontram as fábricas da Moto Honda, Yamaha Motors e HarleyDavidson.

A falta de conhecimento de Luciano Huck sobre o Polo Industrial de Manaus repercutiu nesta terça-feira (04) na Assembleia Legislativa do Amazonas.

O deputado Adala Fraxe rebateu o apresentador ao dizer que a cadeia produtiva do polo de duas rodas do Amazonas é a mais adensada de todoa a América Latina.

Fraxe destacou, ainda, que 93% de uma motocicleta é fabricada na ZFM. “O Amazonas não precisa substituir nenhum meio de produção existente. Nós precisamos agregar outros. A ideia do apresentador de utilizar a biotecnologia é muito bem-vinda, mas sem abrir mão do que já temos”, acrescentou.

O deputado lembrou, ainda, que 97% da Amazônia Brasileira estão preservadas por conta do modelo econômico existente na região. “O nosso modelo é um modelo de sucesso, é preservacionista”, finalizou o deputado.