O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Josué Neto (Patriota), apoiou e apresentou nesta terça-feira (19) propostas para auxiliar a população durante a grave crise na saúde do Estado. Entre as matérias estão a que prevê recursos para a compra de 60 mil cestas básicas e a que propõe remanejar R$ 50 milhões destinados para compra de vacinas – através de emendas impositivas – para socorrer as unidades de saúde.

As medidas foram tratadas durante a sessão extraordinária desta terça-feira. Uma nova sessão extraordinária está marcada para o dia 26, próxima terça-feira.

Durante um breve pronunciamento, Josué pontuou as propostas que tem o seu apoio.

“A proposta número 1, que quero falar aqui é sobre a proposta do Sinésio Campos, onde cada deputado destina através do remanejamento das suas emendas parlamentares o valor de R$ 200 mil, que multiplicado por 24 deputados, dá o valor de R$ 4,8 milhões para a compra de 60 mil cestas básicas”, disse o parlamentar.

Em outro ponto, Josué ressaltou que já existe um Plano Nacional de Imunização (PNI), do Governo Federal, para a compra de vacinas para os Estados, e por isso propôs remanejar o valor de R$ 50 milhões – referente a recursos de emendas parlamentares destinadas à compra de vacinas contra o Covid no Amazonas – para atender outras necessidades da área da saúde.

Pioneirismo

O presidente também relembrou que no ano passado a Assembleia Legislativa foi pioneira ao abrir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), impeachment contra o governador e vice-governador do Amazonas voltadas para apurar problemas na saúde do Estado.
“A Assembleia saiu na frente do Ministério Público Federal (MPF) MPF, da Procuradoria Geral da República (PGR) e da Polícia Federal (PF). Antes da PF abrir a primeira investigação da Operação Sangria a gente já estava aqui com a CPI aberta. Nós não queremos dizer que não somos melhores do que eles não, mas queremos dizer a população que a Assembleia Legislativa esteve atenta em todo o ano de 2020 nos desmandos da saúde, que isso, não se pode negar um passado recente e real, que a Casa fez seu dever de casa”, afirmou.

Moção de Desagravo

Josué também apresentou no plenário Ruy Araújo uma Moção de Desagravo para os hospitais da rede privada de saúde pelo trabalho desenvolvido durante o novo surto de coronavírus no Amazonas.

“Vou tentar citar aqui os principais hospitais: Samel, Adventista Santa Júlia, Check up,Prontocord, Beneficente Portuguesa. Se nós não tivessemos esses hospitais privados, trabalhando em Manaus e no Estado do Amazonas hoje os mortos seriam muito mais do que 10 mil. Quero prestar toda minha solidariaedade. A iniciativa privada é muito importante e está fazendo um trabalho muito melhor do que a pública”, disse.

Recursos

De acordo com Josué, o governador do Amazonas precisa explicar se errou ou está equivocado em relação a falar que o Estado tem recursos. Para ele, se o Estado tem recursos, o Governo precisa explicar qual foi o problema da sua gestão. “Se nós sabemos que não é falta de recursos como vamos entregar os recursos à pessoas que não sabem utilizar recursos?”, disse.