Especialistas do setor preveem que área de infraestrutura de telecomunicações deve ter melhorias diante do crescimento de demanda no país.

Os investimentos previstos à tecnologia 5G no Brasil em 2022 impulsionam a indústria eletroeletrônica. O setor cresceu 7% em 2021 e conseguiu superar o nível pré-pandemia, com dados positivos no emprego e produção. O faturamento somou R$ 214 bilhões, alta de 6% sobre 2019. O presidente da Associação Brasileira de Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, avalia o impacto da implantação da 5ª geração da internet no país. “Tanto na área de infraestrutura de telecomunicações nós devemos ter investimentos muito consideráveis, porque evidentemente existe uma obrigação por parte de quem ganhou o leilão, de fazer grandes investimentos. Por outro lado, uma coisa que muita gente às vezes não comenta, é de que o leilão não visou a arrecadação, conforme a própria Abinee vinha pedindo à Anatel e ao Ministério das Comunicações, é que o mais importante é que fosse um leilão que permitisse grandes investimentos”, afirmou.

O mundo assiste a uma crise de semicondutores que paralisa o setor automotivo. A instalação de novas fábricas está na visão de horizonte do especialista. “É que o semicondutor está tendo um crescimento, uma demanda, que a cada dia é maior. Evidentemente, você tem aí um número de sete, oito fábricas no mundo, o que cria para nós uma vulnerabilidade muito grande. Em função dessa vulnerabilidade é que nós estamos tentando, de todas as formas, trazer novos players para cá”, pontuou. A indústria eletroeletrônica também enfrenta gargalos logísticos no preço dos fretes e com a alta do dólar. O nível de empregos do setor cresceu 8%, com 266 mil agora em comparação a 247 mil postos em dezembro de 2020.

Fonte: JP Notícias