Após a polêmica sobre a aprovação da lei que permite as igrejas e templos religiosos reabrirem as portas nesse período de pandemia do coronavírus, a Igreja Adventista do Sétimo Dia no Amazonas está avisando seus fieis que os templos continuarão fechados.

A determinação foi confirmada na quinta-feira (5) pelo presidente da Igreja Adventista para a Amazônia Ocidental, pastor Sérgio Alan Caxeta. Ele explica que os mais de 1.200 templos da congregação continuarão de portas fechadas para cultos e reuniões públicas pelo período que durar a pandemia do coronavírus.

A decisão vale para todos os Estados da região Norte, onde a igreja tem mais de 175 mil membros, sendo 115 mil no Amazonas, informou Sérgio Caxeta. “Somente reabriremos nossas igrejas quando percebermos que o cenário da contaminação e mortes diminuiu para patamares normais”, afirmou o pastor.

Embora estejam fechados para cultos e reuniões, alguns tempos estão abertos para receber doações, que são entregues às famílias carentes das cidades onde a igreja atua.

O pastor acrescenta que a congregação está levando atendimento psicológico para as pessoas que precisam de apoio espiritual neste momento de crise. Trata-se do projeto Ouvido Amigo, onde psicólogos e terapeutas familiares levam auxílio, de forma gratuita e virtual, a quem precisa de ajuda.