O Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Platão Araújo inaugurou, na sexta-feira (06/11), um consultório de Atendimento Rápido (Fast Track), uma Unidade de Decisão Clínica (UDC) e uma Unidade de Curta Permanência (UCP). Os serviços são baseados em ferramentas de gestão de fluxo de atendimento, que reduzem o tempo de permanência de pacientes de gravidade baixa ou moderada dentro da unidade e foram pensados para evitar a superlotação da unidade.

A ação é resultado do trabalho de reorganização da rede de saúde promovido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), por meio do programa Saúde Amazonas. As ferramentas de gestão que melhoram o atendimento, à medida que trabalham a segmentação do público que demanda o HPS, absorvem princípios aplicados pelo projeto “Lean nas Emergências”, conforme explicou a diretora da unidade, Aída Tapajós.

“O Lean nos trouxe ferramentas e propostas de gestão na melhoria do atendimento ao cidadão. Mas ele é um projeto por trás de um programa maior, que é o Saúde Amazonas, que vem reordenando o nosso sistema para que a gente trate melhor o cidadão amazonense, que ele seja atendido de forma adequada e no tempo certo. Esperamos evitar a superlotação, sim, mas, ao reduzir a superlotação, atender esse cidadão melhor e que ele saia daqui satisfeito”, destacou.

Como funciona – O consultório de Atendimento Rápido (Fast Track) vai atender pacientes considerados de baixa gravidade. São aqueles que poderiam ser atendidos em Unidades Básicas de Saúde (UBS), mas que acabam procurando unidades de emergência.

No Fast Track, que fica na recepção do hospital, o paciente terá um atendimento direcionado e rápido. Medicado no mesmo espaço, ele é liberado para casa.

A Unidade de Decisão Clínica (UDC) é dedicada ao paciente de gravidade moderada. No espaço, ele faz exames e fica em observação por até 12h. Dentro desse período, o médico deve decidir se o quadro é de seguir com o tratamento em internação ou se é possível dar alta, com medicação adequada e com o prosseguimento do tratamento em casa.

Já a Unidade de Curta Permanência (UCP) atenderá paciente com quadro mais grave, com indicação de até 72h de internação. Após esse tempo, esse paciente já deve receber alta, com diagnóstico fechado e tratamento definido.

O médico e consultor do Hospital Sírio Libanês para o projeto “Lean nas Emergências”, Leonardo Leite, explica que, com esses três espaços, a unidade começará a ter um fluxo de paciente segmentado, dispensando tempo e energia de forma correta, agregando ao atendimento apenas aquilo que de fato faz parte da rotina de uma unidade de alta complexidade, como é o caso do Platão Araújo.

“É uma alegria muito grande para o projeto “Lean nas Emergências” trazer as ferramentas, ver o projeto acontecer, e ver a gestão da unidade, as equipes, esses sim, os atores da mudança, fazerem essa superlotação não existir. O projeto tem o nome de emergência, mas ele mexe com o hospital todo. Todo mundo muda a cultura, a forma de pensar”, afirma Leonardo.

Sem excesso de pacientes – O “Lean nas Emergências” é um projeto do Ministério da Saúde implementado pelo Hospital Sírio-Libanês. Seu principal objetivo é reduzir a superlotação nas urgências e emergências de hospitais públicos.

Saúde Amazonas – O Programa Saúde Amazonas, lançado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), tem o objetivo de reestruturar e otimizar a rede de assistência no Amazonas.

Com o “Saúde Amazonas”, serão implantados mais de 180 projetos de modernização da SES-AM. Entre outras metas do programa estão a ampliação de leitos, fortalecimento da transparência e controle e valorização dos servidores, melhorando a prestação dos serviços à população.

Fotos: Rodrigo Santos/ SES-AM