Até o final deste ano, o Governo do Amazonas terá elaborado projetos de redes de abastecimento de água e saneamento para 31 municípios do interior amazonense. Por intermédio da Companhia de Desenvolvimento (Ciama), o Estado prepara o projeto e atualiza documentação necessários para que as prefeituras busquem recursos disponibilizados pelo Governo Federal.

Esse trabalho, uma das ações da política do Governo de promoção do desenvolvimento social e econômico do interior, evitou que o Estado perdesse R$ 170 milhões da União ano passado, destinados às duas áreas prioritárias. A falta de assessoria técnica é uma das principais dificuldades que travam o acesso dos municípios à linhas de financiamento.

Em junho de 2019, o governador Wilson Lima entregou, a 11 prefeituras, os projetos de engenharia e arquitetura exigidos na implantação de redes de saneamento e abastecimento. Os municípios beneficiados foram Autazes, Urucurituba, Uarini, Urucará, Boca do Acre, Nhamundá, Lábrea, Tabatinga, Maraã, Juruá e Benjamin Constant.

No mesmo ano, a Ciama atualizou as documentações dos projetos de abastecimento de água de Carauari, Beruri e Caapiranga. Outras 12 cidades – Autazes, Boca do Acre, Nhamundá, Novo Airão, Novo Aripuanã, Rio Preto da Eva, São Paulo de Olivença, Santo Antônio do Içá, Tonantins, Uarini, Urucará e Urucurituba -, receberam os projetos de saneamento.

Em andamento – Neste ano, a Ciama trabalha nos projetos de abastecimento de água de Lábrea, São Paulo de Olivença, Novo Aripuanã, Urucurituba e Novo Airão.

Para 2021, informa a autarquia, estão no planejamento a entrega de projetos de abastecimento de água para cinco municípios. São eles Canutama, Boa Vista do Ramos, Santo Antônio do Içá, Tonantins e Nhamundá (quatro comunidades). Com os projetos em mãos, as prefeituras podem apresentá-los à Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e acessar recursos destinado a essas duas áreas.

Foto: Divulgação Ciama