O estado deve receber 5% das doses de cada unidade federativa. Restante dos imunizantes será distribuído igualmente entre as regiões.

Na noite de quinta-feira (21/1), governadores de ao menos 22 estados participaram de reunião para propor que o estado do Amazonas receba doses extras das vacinas contra a Covid-19. A informação foi confirmada por Wellington Dias, governador do Piauí, presidente do Consórcio Nordeste e Coordenador da temática de Vacina no Fórum dos Governadores.

Os chefes de cada estado entenderam que a situação que o Amazonas enfrenta é crítica, especialmente em municípios como Manaus. A região passou, na última semana, por um colapso devido à falta de oxigênio para atender pacientes com Covid-19.

Nesta sexta-feira (22/1), o Brasil deve receber 2 milhões de doses da vacina de Oxford/Astrazeneca, que chegam da Índia. Além disso, a diretoria colegiada da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reunirá para autorizar o uso emergencial de 4,8 milhões de doses da vacina Coronavac, produzidas pelo Instituto Butantan.

Segundo o governador do Piauí, a proposta é que o Amazonas receba 5% das doses dos imunizantes que chegarão ao país. O restante deverá ser distribuído igualmente entre os demais estados. De acordo com Wellington Dias, todos os governadores que participaram da reunião concordaram com a ideia.

“A situação é grave. O vírus começa a se espalhar, já com presença forte na divisa com o estado do Pará. Defendi uma proposta técnica apresentada para que a gente tenha aprovação, e tivemos por parte dos governadores, para que possamos agora, na distribuição desse novo lote de vacinas, mais de 6 milhões de doses, que a gente possa tirar uma fatia maior, algo como 5%, cerca de 300 mil vacinas, para viabilizar a vacinação em Manaus e nesses municípios mais afetados, inclusive na divisa com os estados”, informou Dias.

A assessoria de imprensa do governador Wellington Dias informou, por meio de nota, que o chefe do estado do Pará, Helder Barbalho, também pediu ajuda para incluir a região na doação de doses. “Estou no oeste do estado [divisa com o Amazonas]. Aqui a segunda onda chegou”, teria dito Barbalho.

A reportagem procurou os governos do Amazonas e do Pará, mas ainda não obteve retorno. O Ministério da Saúde também foi procurado. O espaço segue aberto.

Uso emergencial

A reunião da Anvisa para definir o uso emergencial das 4,8 milhões de doses da Coronavac está marcada para as 15h e, segundo a agência, ocorre após o pedido ter sido submetido pelo instituto, na última segunda-feira (18/1).

Trata-se de um documento que inicialmente continha 206 páginas e que, posteriormente, foi atualizado com mais de 727 páginas. O encontro será transmitido pelos canais digitais da Anvisa.

Fonte: Metrópoles

Foto: Divulgação