Wilson Lima afirma que vai preparar estrutura para vacina ao interior.

O governador do Amazonas, Wilson Lima, afirmou que vai montar uma estrutura para a distribuição da vacina contra a Covid-19 no estado. Nesta terça-feira (8), ele participou por videoconferência da reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e outros governadores.

“O Estado do Amazonas tem se mobilizado no sentido de também preparar essa estrutura para fazer a distribuição para os interiores, levando em consideração as distâncias que nós temos”.

Segundo Lima, na reunião com o ministro, foi informado aos governadores que há um plano logístico de distribuição de vacinas e compra de insumos, como seringas, para os estados. O Ministério da Saúde será responsável pela coordenação do plano de distribuição da vacina no país.

“É o Governo federal que tem que de fato ter essa responsabilidade para fazer essa distribuição para todos os estados, senão a gente corre o risco de ter aquele estado com poder de compra maior ter privilégios em relação a aquele que não tem condições de comprar uma dose sequer de vacina, principalmente nesse momento difícil pelo qual alguns estados enfrentam dificuldades financeiras, inclusive com pagamento de pessoal. Não é qualquer estado que tem condições de hoje dispor de R$ 150, R$ 200 ou R$ 300 milhões para compra de vacinas”, disse.

“Estamos montando um planejamento com a nossa Fundação de Vigilância em Saúde e Secretaria de Saúde para que, no momento que a vacina chegar, ela imediatamente seja colocada à disposição da população, levando em consideração os critérios técnicos estabelecidos pelo Ministério da Saúde”, afirmou.

Atraso

O pesquisador Fiocruz Amazônia, Jesem Orellana, afirmou que o Brasil já está atrasado em relação ao planejamento de vacinação contra a Covid-19 e isso não somente em relação ao Reino Unido, que iniciou a vacinação nesta terça-feira, mas também em outros países, como Rússia, já iniciaram a vacinação. “Nesse sentido, estamos entrando atrasados nessa disputa e naturalmente teremos que entrar em uma fila para a compra. E quem sai mais prejudicado é a população brasileira, serão as pessoas mais vulneráveis, os idosos e os indígenas”.

Para Orellana, somente agora, com o aumento dos casos em vários estados, os próprios governadores passaram a entender a importância da vacina. “Estamos com um aumento de casos no Brasil, em um claro sinal de retomada das taxas de infeção. Nós temos uma demanda urgente pela vacina. Estamos com dificuldade de controlar a pandemia, estamos fracassando nesse controle, então a vacina nesse cenário se torna essencial”, disse o pesquisador.

Fonte: G 1 Am