Durante a investigação clínica, a equipe médica descartou a suspeita de Covid-19 após o exame de imagem do pulmão

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) esclarece que o óbito da professora de escola estadual em Manaus, Leila Guerra Soares, na quinta-feira (20/08), ocorreu por complicações decorrentes de um quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) para pneumonia bacteriana.

A mesma foi internada no dia 11 de agosto, em um hospital privado, com quadro gripal com mais de sete dias, sendo internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no dia 12 de agosto.

Durante a investigação clínica, a equipe médica descartou a suspeita de Covid-19 após o exame de imagem do pulmão, que não atendia às definições da doença recomendadas pelo Ministério da Saúde. Seguindo o protocolo de investigação epidemiológica, a FVS-AM realizou exame pós-óbito para Covid-19, com resultado negativo.

A professora estava afastada de suas atividades desde o início da suspensão das aulas presenciais. Em julho, quando sofreu um derrame ocular, segundo a Secretaria de Estado de Educação e Desporto, ela permaneceu afastada.

A servidora também não teve nenhuma participação na Jornada Pedagógica do Ensino Médio promovida pela secretaria, uma semana antes da volta às aulas presenciais.

Portanto, o óbito não tem relação com o reinício das atividades escolares na rede pública estadual de ensino, em Manaus.

Mais informações: Assessoria de Comunicação da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS): Maíra Pessoa (3182-8523 e 98403-8627).

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) esclarece que o óbito da professora de escola estadual em Manaus, Leila Guerra Soares, na quinta-feira (20/08), ocorreu por complicações decorrentes de um quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) para pneumonia bacteriana.

A mesma foi internada no dia 11 de agosto, em um hospital privado, com quadro gripal com mais de sete dias, sendo internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no dia 12 de agosto.

Durante a investigação clínica, a equipe médica descartou a suspeita de Covid-19 após o exame de imagem do pulmão, que não atendia às definições da doença recomendadas pelo Ministério da Saúde. Seguindo o protocolo de investigação epidemiológica, a FVS-AM realizou exame pós-óbito para Covid-19, com resultado negativo.

A professora estava afastada de suas atividades desde o início da suspensão das aulas presenciais. Em julho, quando sofreu um derrame ocular, segundo a Secretaria de Estado de Educação e Desporto, ela permaneceu afastada.

A servidora também não teve nenhuma participação na Jornada Pedagógica do Ensino Médio promovida pela secretaria, uma semana antes da volta às aulas presenciais.

Portanto, o óbito não tem relação com o reinício das atividades escolares na rede pública estadual de ensino, em Manaus.