A viítima de um câncer agressivo que arrancou a maior parte do seu rosto, não pode tomar remédio para suportar a dor e vive dentro de uma casa de dois cômodos, dormindo na cozinha do imóvel.

O caso de uma mulher que sofre de um carcinoma agressivo há mais de 25 anos, sensibilizou a internet nesta última terça-feira (11). Trata-se de Maria José, moradora da zona sul de São Paulo, tratada pela filha que, com seus poucos recursos, divide o tempo para cuidar da mãe doente, do filho de sete anos e trabalhar fora para custear as despesas de casa.

Maria José foi diagnosticada com câncer carcinoma agressivo há mais de 25 anos, a doença já lhe levou a parte superior da boca e também os olhos, ficando com um enorme buraco em sua face. Ela não consegue falar direito, não anda sozinha, faz uso de fraldas, perde a lucidez com frequência e sente muitas dores, mas não pode tomar morfina e codeína, pois tem alergia a esses medicamentos.

A doença

O câncer começou com o aparecimento de algumas verrugas pretas em seu rosto. Maria José foi atendida pelo SUS, tirando as verrugas, mas sem fazer outro tratamento. A doença estabilizou por um tempo, mas um novo nódulo apareceu em seu nariz, e foi necessário retirá-lo por completo.

Tempos depois um novo tumor apareceu, sendo necessário inúmeras sessões de quimioterapia e rádios para diminuí-lo. Após o tratamento, foi necessário fazer a retirada do tecido morto, porém, a não cicatrização da ferida fez com que ela perdesse os olhos também. Hoje, os médicos do SUS dizem que uma cirurgia reconstrutora só seria possível com a cicatrização total do local, pois corre o risco de hemorragia. Com a reconstrução ela não voltaria a enxergar, mas conseguiria viver e se alimentar melhor.

A vaquinha

Na terça-feira, dia 11 de janeiro, uma vaquinha on-line foi criada na internet para ajudar a família com os custos do tratamento da Maria José, que precisa de  curativos especiais, chamados de “atadura de Rayon”, e nem sempre consegue pelo posto de saúde pública, além de soro (usam um frasco em cada curativo, para desgrudar a gaze e não sangrar o ferimento), micropore, óleo de girassol, luvas e gazes normais. Ela também não consegue comer comida pastosa, pois sente muita ânsia de vômito.

O valor estipulado para dar uma vida digna a essa vítima do câncer e sua família foi de R$ 180 mil reais, pois além dos medicamentos, é necessário também no pagamento mensal de uma cuidadora, para que a filha possa trabalhar tranquilamente. Com esse valor os doadores também estão ajudando a comprar casa para a família, que hoje vive em apenas dois cômodos na zona sul de São Paulo,  e Maria José acaba dormindo na cozinha.

Para a surpresa da filha de Maria José, Lucineide Batista dos Santos, o valor estipulado já foi batido sete horas após a primeira publicação da cota on-line, e melhor que isso, até o momento já foi arrecadado quase o dobro.

Com otimismo, Lucineide mostra nas redes sociais a dedicação com que cuida de sua mãe

Lucineide, que cuida com dedicação da mãe, tem um filho de sete anos, e explica que com o salário que recebe mal dá para sobreviver. Dona Maria José é aposentada, porém, o valor valor da aposentaria é utilizado para o pagamento de uma cuidadora, para que a filha possa também trabalhar como ajudante de serviços gerais.

Lucineide desabafou que, além do dinheiro ser curto para todas as despesas, parte o coração ver o filho pedir as coisas e não poder proporcionar nada a ele.

“Meu filho é uma criança normal, tem vontades. Ele me pede tanta coisa e eu não posso dar” – relatou Lucineide, chorando. 

Como doar

A contribuição para ajudar Maria José e Lucineide foi pedida através do site voaa.me que aceita pagamentos em boleto, cartão de crédito e Paypal, o valor mínimo da doação na plataforma é de R$ 25,00.

A equipe da VOAA apura todas as vaquinhas publicadas na plataforma e acompanha as histórias antes, durante e após finalizar as campanhas em suas redes sociais.

Para contribuir acesse o link a seguir:

https://voaa.me/maria-tratamento