Faltando dez dias para o Natal, os órgãos de vigilância em Saúde alertam para o risco de contaminação pelo coronavírus nas festas de fim de ano. A previsão pessimista é que o Brasil enfrente um aumento exponencial dos casos da doença em janeiro de 2021, causado pelas aglomerações nas festas de Natal e de Réveillon.

A pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcomo, afirma que o País terá o mês de janeiro mais triste da história. “Nós falhamos em trazer uma consciência cívica da gravidade do que estamos vivendo”, afirmou a pneumologista.

Vários médicos, cientistas e profissionais ligados ao combate e estudo do coronavírus foram convidados a participar do debate ‘E Agora Brasil?’, organizado por veículos de comunicação. O evento teve também apoio do Sesc, Senac e CNC (Confederação Nacional do Comércio).

“O que vai realmente causar a segunda onda do Covid-19 no Brasil são as festas de fim de ano”, prevê Margareth Dalcomo. A pneumologista sugere que as comemorações tenham no máximo seis pessoas. “É melhor evitar aglomerações para que estejamos vivos nos próximos Réveillons”, acrescentou.

O médico Drauzio Varella participou do debate foi enfático ao dizer que muitas pessoas vão morrer por causa das festas de fim de ano. “Eu acho que, infelizmente, muitas pessoas vão morrer, em meio a ilusão de que agora temos uma vacina e o problema ficou pra trás”, lamentou o médico.

Drauzio destacou que em 2021os brasileiros terão que continuar usando máscaras e evitando aglomerações. “No ano que vem, teremos que tomar os mesmo cuidados como andar de máscara, evitar aglomerações, tudo igual”, ressaltou. “Qualquer outra mensagem é falsa e não está de acordo com a realidade”, alertou Drauzio.