Apesar das dificuldades decorrentes da pandemia de Covid-19, o Governo do Amazonas, por meio da Fundação Estadual do Índio (FEI), não deixou de atender as demandas dos povos indígenas e dar continuidade aos projetos que estavam em andamento e dentro das possibilidades de execução. É o que mostra o relatório de atividades realizadas pela fundação em 2020, apresentado na última semana de março.

Para o diretor-presidente da FEI, Edivaldo Munduruku, o relatório de atividades demonstra a capacidade da equipe em cumprir seus objetivos com a sociedade indígena, apesar das restrições e dificuldades advindas da pandemia.

“Em 2020 passamos por um período que modificou todo nosso calendário de atividades para o ano, e mesmo assim conseguimos nos adequar e atingir metas semelhantes às que havíamos programado. Para 2021, esperamos que todos os nossos objetivos venham a ser alcançados sem grandes dificuldades”, disse.

Somente no ano de 2020, a FEI realizou 17 projetos voltados para a comunidade indígena de todo o estado do Amazonas, sendo eles divididos em duas partes, uma voltada para agricultura e geração de renda, e outra para assessoria e apoio ao fortalecimento das associações e comunidades indígenas. No total, mais de 44 mil indígenas receberam o apoio da FEI.

No mesmo ano, a fundação distribuiu mais de 550 toneladas de cestas básicas para assistência das comunidades. Além dos alimentos, a FEI doou kits de higiene pessoal e máscaras para conter o avanço da Covid-19 entre as populações indígenas.

De acordo com o diretor técnico Fabrício Corrêa, estes projetos continuam em planejamento e execução para o desenvolvimento dos parentes do Amazonas.

“A distribuição de cestas básicas foi e é de vital importância para a fundação, pois nós estamos prestando essa assistência na complementação da alimentação deles que foi afetada por conta da pandemia. O desenvolvimento econômico deles foi afetado, e o sanitário também, por isso nós unimos forças para atender a todos que precisam”, finalizou.

FOTO: Divulgação/FEI