Com o objetivo de prevenir a hipotermia nos pacientes internados, a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), adquiriu novas mantas térmicas e assegurou o fornecimento de aquecedores térmicos, neste mês de julho. Os itens são utilizados por pacientes em cirurgias complexas e na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulta e pediátrica.

O uso de mantas com aquecedores térmicos é uma das formas para manter a temperatura corporal adequada, prevenindo a hipotermia, e fornecendo maior segurança e qualidade assistencial.

Ampliação e segurança – A FCecon adquiriu cerca de 380 mantas térmicas da fabricante CGH Actiwarm, com o fornecimento dos aquecedores térmicos necessários em sistema de comodato, informa o subgerente de manutenção de equipamentos da FCecon, Ícaro Augusto Falcão.

Com a aquisição, a Fundação Cecon conta com 14 aquecedores para os pacientes cirúrgicos e internados nas UTIs.

UTI e centro cirúrgico – Segundo a supervisora de enfermagem da UTI Adulto da FCecon, enfermeira intensivista Simone Gaynett, o uso de mantas térmicas é muito comum em ambiente de cuidados intensivos.

“Os pacientes oncológicos passam por cirurgias de 6 a 8 horas, e eles podem ter comprometimentos, como a hipotermia, que levam à desestabilização. O paciente que chega com longas horas de cirurgia é aquecido com essa manta térmica e nós vemos uma recuperação muito rápida e boa, mantendo o paciente aquecido. Para nós é um ganho excelente, para que possamos conduzir os nossos pós-operatórios na UTI cirúrgica”, disse Gaynett.

Além da utilização em UTI, os aquecedores térmicos são utilizados em pacientes durante a realização de cirurgias de grande porte, que são mais longas e complexas, no Centro Cirúrgico. O equipamento também é utilizado nos pacientes em recuperação anestésica, com orientação dos médicos anestesistas.

Treinamento – Nesta semana, iniciaram os treinamentos das equipes de enfermagem da FCecon do Centro Cirúrgico e UTI, responsável pelo uso dos novos aquecedores térmicos.

FOTO: Laís Pompeu/FCecon