A FAB (Força Aérea Brasileira) iniciou, na manha desta sexta-feira (15), os primeiros embarques de pacientes com Covid-19 que precisaram ser retirados de Manaus devido ao cenário de colapso vivido pela capital amazonense. Os pacientes foram acompanhados por profissionais de saúde.

Duas aeronaves do órgão devem realizar as missões de transladar os pacientes com o objetivo de desafogar o sistema de saúde da capital. Estima-se que a fila de pacientes no Estado esperando por um leito chegue a 500 pessoas.

Durante toda a quinta-feira (14), a crise em Manaus por falta de cilindros de oxigênio para pacientes com Covid-19 escalou de forma dramática. A demanda pelo material explodiu com a alta dos casos da doença no estado.

Frente ao cenário de guerra, estados, municípios e o governo da Venezuela se ofereceram para ajudar ao governo amazonense. O ministro das Relações Exteriores venezuelano falou em “solidariedade latino-americana”.

De acordo com o UOL, Goiás, Espírito Santo, Piauí, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte e Distrito Federal informaram que receberão pacientes vindos do Amazonas.

A multinacional White Martins, principal produtora de oxigênio da região, disse ter alertado o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o colapso envolvendo a falta do produto nos hospitais amazonenses.

A Secretaria de Saúde do Amazonas determinou a requisição administrativa de “eventual estoque ou produção de oxigênio” de dezessete empresas, como montadoras e produtoras de eletrodomésticos localizadas no do Polo Industrial de Manaus (PIM).

Fonte: Yahoo Noticias