Pacientes com quadros graves da doença podem desenvolver microtrombos e hemorragias que podem danificar a visão de forma permanente.

Uma pesquisa conduzida pela Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) descobriu que pessoas com Covid-19 grave podem desenvolver lesões vasculares nos olhos. O trabalho, publicado na revista científica Ocular Immunology and Inflammation Journal, analisou 104 pacientes internados em UTIs e enfermarias e descobriu que 12,9% apresentaram comprometimento vascular da retina. Cerca de 3% deles sofreram danos permanentes na visão.

Os voluntários da pesquisa estavam internados no Hospital Municipal de Barueri, em São Paulo. Entre os danos oculares observados pelos cientistas estavam microtrombos e hemorragias. Em alguns casos, as lesões foram identificadas em ambos os olhos.

Outro problema identificado em pacientes com quadros agudos de Covid-19 foi a conjuntivite, uma inflamação ou infecção da membrana externa do globo ocular e da pálpebra interior. Em pessoas infectadas pelo coronavírus, as lágrimas podem contaminar outras pessoas.

No estudo, Rubens Belfort Jr., professor titular de oftalmologia da EPM/Unifesp e presidente da Academia Nacional de Medicina (ANM), explica que tanto pacientes intubados quanto os que respiravam sem ventilação mecânica apresentaram as lesões. Também não houve diferença com relação ao tipo de medicamento administrado a cada um.

A taxa de lesões também permaneceu a mesma quando os pesquisadores levaram em conta os pacientes em UTIs e os internados em enfermarias. Tudo isso seria um indicativo de que os danos foram causados diretamente pela Covid-19 e não por conta do tratamento administrado.

Uma grande preocupação dos médicos com relação aos problemas oculares em pacientes com coronavírus é o fato da retina servir como um biomarcador de possíveis complicações no sistema nervoso. “A retina é como uma janela para o que acontece no corpo da pessoa com Covid-19, em especial o cérebro”, afirmou Rubens Belfort. O especialista explica que a retina faz parte do sistema nervoso central e atua transformando a luz em sinais elétricos para formar as imagens que enxergamos.

Algumas pesquisas já demonstraram que até mesmo pacientes assintomáticos ou com quadros leves da Covid-19 podem sofrer danos no cérebro e apresentar sintomas neuropsiquiátricos e/ou neurológicos após serem infectados. Além de ansiedade e comprometimento cognitivo, fortes dores de cabeça, sonolência excessiva, alteração da memória e perda de olfato e paladar foram observados em pacientes até dois meses após a recuperação.

A pesquisa não chegou a uma conclusão se a retina é afetada diretamente pelo coronavírus, pela inflamação causada pela Covid-19, por problemas de coagulação ocasionados pela doença ou por todos os fatores combinados. Por enquanto, também não se sabe se os danos oculares identificados no estudo também acontecem em pacientes com quadros moderados ou leves de Covid-19.

Estudos posteriores tentarão descobrir se as lesões na retina podem indicar mais chances do paciente desenvolver sequelas da Covid-19.

Fonte: Metrópoles