O ministério da Saúde encaminhou hoje (quinta-feira – 02) às secretarias estaduais e municipais de Saúde mais de 40 milhões de itens usados no combate ao coronavírus. São materiais como testes rápidos, equipamentos de proteção individual (EPIs) e aparelhos de ventilação, entre outros.

Em nota aos órgãos de Saúde, o ministério adverte que o estoque deve durar 20 dias.

Hoje cedo, o jornal O Estado de São Paulo publicou reportagem que alerta que o ministério está sem estoque de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas, para serem distribuídos aos profissionais que atuam em hospitais e postos médicos.

A falta dos materiais deve-se à quebra de contrato de empresas chinesas que forneceriam os equipamentos ao Brasil. O contrato foi quebrado porque a China deu prioridade aos Estados Unidos, que enviou 23 aviões cargueiros para buscar os materiais junto às fábricas chinesas.

Como solução para enfrentar a escassez de EPIs, o ministro Luiz Henrique Mandetta sugeriu que o Brasil invista emergencialmente na produção desses equipamentos. A ideia é incentivar as indústrias nacionais a entrar na luta contra o coronavírus.