Saiba como identificar quando é necessário procurar ajuda e entenda os riscos, métodos de tratamento e prevenção da pressão alta.

Embora cerca de 38 milhões de brasileiros sofram com a pressão alta, segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), muitos não conhecem a doença, tampouco sabem maneiras efetivas de tratamento e prevenção.

A hipertensão é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença caracterizada pelo aumento crônico da pressão arterial sistólica e/ou diastólica. Assim, pessoas que apresentam essa elevação acabam muitas vezes sofrendo desse mau sem saber que a condição é considerada uma patologia.

Entenda mais sobre a doença

O primeiro ponto importante para saber mais sobre o assunto é entender quando se deve procurar ajuda médica. De acordo com o cardiologista Hélio Castello, intervencionista do Grupo Angiocardio, até mesmo os picos de pressão isolados e esporádicos precisam ser investigados, pois já aumentam o risco de infarto e AVC. Além disso, esses eventos tendem a tornarem-se repetitivos e mais frequentes a longo prazo.

A principal dúvida a respeito da enfermidade é o quadro de sintomas: o que, de fato, pessoas com hipertensão sentem?

A resposta para essa questão é complicada, visto que em alguns organismos ela pode manifestar-se de maneira silenciosa, assim, o acometido será assintomático. No entanto, vale ressaltar os principais sintomas, que são “dor de cabeça frequente – principalmente na nuca, cansaço para esforços, inchaço nos pés, dor ou pressão no peito, alterações na visão, tontura, desmaio e sangramento nasal”, como pontua Castello.

Continue lendo no site Alto Astral, parceiro do Metrópoles.

Fonte: Metrópoles