O evento possivelmente acontecerá nos dias 6,7 e 8 de novembro


A Amazon Best, empresa responsável pela comercialização dos ingressos para o Festival Folclórico de Parintins 2020, reabre as vendas para o evento que. possivelmente. acontecerá nos dias 6, 7 e 8 de novembro. Vale lembrar que, segundo a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), o Estado contabiliza 91.389 casos de Covid-19 e 3.146 mortos.

A data extraoficial foi pré-definida pela direção dos bumbás de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus, no Amazonas), mas, ainda não foi oficializada pelo Governo dos Estado. Autoridades da área jurídica e sanitária relutam em discutir a possibilidade e exigem, inclusive, estudos que provem a viabilidade do evento.

Segundo Geyna Brelaz, diretora executiva da AB, a reabertura das vendas se dá por conta do reajuste das datas. “Estamos na verdade reajustando o sistema, com ingressos que foram devolvidos e irão voltar para a venda”, informou.

A executiva informa ainda que o número de ingressos disponíveis é pequeno e a fila de espera é maior. “Nossa lista de espera é maior do que o que temos para vender porque na verdade, foram poucas as desistências”, declarou.

“Teremos um festival mais regional, mas, com uma expressiva participação do nordeste, que é o público que mais procura hoje, o evento”, observou.

Processo empresarial

Segundo o diretor-presidente da empresa, Valdo Garcia, o anúncio é algo normal no processo empresarial. “A reabertura das vendas dos ingressos para o Festival de Parintins 2020 a partir de amanhã, 21, é um procedimento normal da empresa. A validação da data do Festival nos dias 6, 7 e 8 de novembro, está condicionada ao parecer técnico das autoridades de saúde do estado e do município de Parintins, no final de agosto ou no mais tardar no início de setembro”, informou.

O empresário também faz uma avaliação positiva da conjuntura. “Vale ressaltar que as circunstâncias da pandemia da Covid-19 na região Norte são outras. Em abril tínhamos o caos, a partir da segunda quinzena de maio uma queda moderada dos casos e óbitos, e a partir de junho queda acentuada”, contextualizou.

“Ainda há registros de casos na capital e no interior, mas em termos estatísticos pode-se afirmar que o pior da pandemia já passou”, avaliou.

Amazonas seguro

Ainda segundo Valdo, o Amazonas apresenta uma melhora no quadro. “Hoje o Amazonas é o Estado mais seguro para se visitar no Brasil quando se fala em Covid-19. E em agosto, setembro, outubro e novembro o cenário nos Estados onde a pandemia ainda é forte como São Paulo, regiões Sul e Centro-Oeste, será bem mais positivo e, gradualmente, a vida e as atividades econômicas e culturais retomarão seu ciclo normal”, otimizou.

Como exemplo, ele acrescenta a forte procura de turistas da região nordeste. “Nos surpreende que turistas do Nordeste, como do Recife, Salvador e Fortaleza estejam na lista de espera para comprar ingressos e pacotes”, avaliou.

Para ele, a segurança aponta para o norte. “As pessoas estão priorizando viagens de carros ou por avião para as regiões mais seguras do país, para fazer turismo e a Amazônia é desses destinos, e em especial o Estado do Amazonas”, destacou.

Questionado sobre o número aproximado de ingressos postos novamente à venda, ele informou. “As desistências hoje não chegam a 5% dos ingressos vendidos que haviam esgotado na primeira semana de março antes da pandemia”, finalizou Valdo Garcia.

Fonte: Revista Cenarium