Médico esclarece as principais dúvidas sobre o assunto.

De acordo com pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia em 2018, a acne é o principal motivo das consultas dermatológicas no Brasil; ainda segundo a SBD, o problema atinge cerca de 56,4% da população adulta. No entanto, para além dos cravos e espinhas em si, a acne costuma deixar outras marcas em seus portadores, cuja autoestima pode ser afetada a longo prazo por conta presença de sinais na derme.

Dessa forma, mesmo com o crescimento de movimentos empoderadores como o Pele Livre, encabeçado por criadores de conteúdo como a brasileira Kéren Paiva e que visa a normalização da pele como ela é, sem filtros, muitas pessoas ainda se incomodam com as marquinhas deixadas pelas espinhas. Todavia, nem tudo está perdido já que existe solução para aliviar os vestígios da acne.

Abaixo, saiba mais sobre as cicatrizes decorrentes da acne e confira algumas formas de evitá-las!

Entenda as cicatrizes de acne

De acordo com o médico dermatologista Aldo Vasconcelos, as cicatrizes de acne estão diretamente relacionadas com a manipulação das espinhas, ou seja, o famoso ato de cutucá-las. O médico explica que, ao contrário do que se pensa, o gesto não dá um fim à lesão, mas acaba piorando o caso, aumentando o quadro inflamatório e evitando com que a ferida se regenere corretamente. Por isso, não esprema suas espinhas, nunca!

No entanto, essa explicação para o aparecimento de cicatrizes na pele após a acne não é única. “Outro motivo que pode causar as cicatrizes são o grau de severidade da lesão de acne. Se o paciente tiver entre os graus 3 e 4, tem grandes chances de ficar com alguma cicatriz devido à gravidade”, pontua o dermatologista.

Vasconcelos explica que a cicatriz na derme pode ser desde uma hiperpigmentação pós-inflamatória até lesões propriamente ditas, estas últimas são classificadas como:

Atróficas: quando há perda de tecido, apresentando depressões e afundamento de pele.

Hipertróficas: cicatrizes aumentadas e avermelhadas que se restringem ao local do trauma.

Queloides: altas e avermelhadas, podem superar os limites do local onde há trauma.

Graus de acne

Como já mencionado por Vasconcelos, são os graus mais elevados de acne que costumam deixar marcas nos portadores da condição.

O médico esclarece que a acne de grau 1 consiste em cravos, sem lesões inflamatórias (espinhas); o grau 2 é caracterizada pela presença de cravos e espinhas pequenas, além de pápulas e pústulas (lesões com pus); já na acne de grau 3, além das características já descritas, é observada a ocorrência de cistos e nódulos (lesões maiores e mais profundas, com grande saída de secreção); por fim, a acne de grau 4 engloba cravos, pápulas, pústulas cistos e nódulos, além de múltiplos abscessos interconectados e cicatrizes irregulares, o que resulta em certa deformidade da área afetada (acne conglobata). Ainda de acordo com o especialista, a acne em seu grau mais severo pode gerar febre e mal estar no paciente.

Contudo, ele também observa que a acne leve pode deixar, sim, sequelas; porém, são marcas mais fáceis e rápidas de tratar. “Pode ser uma pequena cicatriz ou uma hiperpigmentação após a inflamação causada pela acne”, justifica.

É possível se livrar das lesões?

“Cada caso tem que ser avaliado individualmente. Nem sempre conseguimos deixar a pele totalmente íntegra, ou seja, sem cicatrizes, mas mesmo nos casos mais graves, conseguimos obter uma ótima resposta aos tratamentos”, declara o dermatologista. Segundo o médico, pacientes regrados e que seguem corretamente as orientações também costumam contribuir para que os resultados sejam mais satisfatórios.

Os tratamentos disponíveis hoje no mercado consistem em infiltrações, microinfusão de medicamentos (MMP), laser, peeling químico, subcisão, preenchimento e microagulhamento com drug delivery.

Vasconcelos alerta para que todo e qualquer procedimento realizado seja indicado por um médico ou médica dermatologista. Além disso, ele lembra que a conduta deve levar em consideração o tipo de lesão presente na pele e a intensidade do caso como um todo.

Prevenindo as cicatrizes de acne

O médico explica que a melhor forma de prevenir as lesões decorrentes da acne é manter uma higiene corporal adequada, controlar a oleosidade da pele com os tratamentos prescritos por um dermatologista e ter uma rotina de skincare adequada para seu tipo de pele.

“Além disso, é imprescindível não manipular as lesões, pois caso tenha uma infecção local, a bactéria pode contaminar e infectar áreas adjacentes, o que irá piorar o caso”, recomenda Vasconcelos.

Vale também ter uma alimentação adequada, sem abusar de condimentos ou produtos industrializados, e manter a hidratação interna em dia – beba água! Outras dicas do médico são:

Nunca dormir de maquiagem e sempre removê-la com solução micelar;

Lavar o rosto duas vezes ao dia com sabonete específico para a pele acneica;

Utilizar um tônico adstringente para limpeza profunda dos poros;

Aplicar um produto antiacne recomendado pelo dermatologista;

Usar diariamente filtro solar com toque seco e função antiacne ou antioleosidade;

Borrifar ao longo do dia um spray antioleosidade para controlar a produção de sebo;

Por fim, a dica de ouro do especialista é visitar seu dermatologista regularmente e seguir as orientações do profissional para controlar o problema da melhor forma.

Fonte: Alto Astral