A dopamina é muito importante para o desempenho de várias funções do corpo e, por isso, é fundamental mantê-la em concentrações adequadas.

A dopamina é um neurotransmissor responsável por levar informações para várias partes do corpo e, quando é liberada, provoca sensação de prazer e aumenta a motivação.

Além disso, está envolvida nas emoções, nos processos cognitivos, no controle dos movimentos, na função cardíaca, no aprendizado, na capacidade de atenção e no processo digestivo.

A dopamina também está diretamente relacionada a distúrbios neurológicos e psiquiátricos como, por exemplo, a doença de Parkinson, esquizofrenia e TDAH.

Embora a dopamina seja produzida naturalmente pelo corpo, no sistema nervoso central e nas glândulas suprarrenais, seus níveis podem ser aumentados por meio do consumo de alimentos ricos em tirosina, como ovos, peixe, carnes ou feijão.

Quando a dopamina se encontra em níveis baixos, os principais sintomas são falta de motivação e de prazer. Além disso, também é frequente a perda da libido, a sensação de cansaço ou, até mesmo, uma alteração dos movimentos.

Alimentos que ajudam a aumentar a dopamina

A tirosina é precursora da dopamina e, por isso, alimentos que contêm essa substância ajudam a aumentar os níveis do neurotransmissor. Entre eles, estão ovos, peixe, carnes, feijão, nozes, laticínios ou soja.

Qual a diferença entre dopamina e serotonina?

Uma das diferenças entre a dopamina e a serotonina é a fonte de produção. A dopamina é produzida a partir da tirosina, enquanto a serotonina vem de um aminoácido chamado triptofano.

Quando a serotonina se encontra em níveis elevados, a quantidade de dopamina tende a diminuir. Por outro lado, níveis baixos de serotonina podem causar aumento excessivo de dopamina, o que leva ao aumento da libido e da busca por atividades que causam prazer.

Fonte: Metrópoles