Remédio é muito comum para manejar dor e febre, e começa a fazer efeito entre 30 e 60 minutos após a administração.

Um remédio muito conhecido, a dipirona monoidratada, ou sódica, é um medicamento analgésico e antitérmico. O princípio ativo reduz a produção de substâncias ligadas à dor e febre e, por isso, é utilizado normalmente para manejar esse tipo de sintoma. O remédio começa a funcionar entre 30 e 60 minutos após a administração, e o efeito pode durar quatro horas.

A dipirona pode ser encontrada em comprimidos, gotas, xarope, supositório ou administrada por meio de uma injeção, e deve ser utilizada sob orientação médica.

De acordo com a bula da dipirona, ela não é indicada para pessoas:

– Com hipersensibilidade à dipirona ou a qualquer um dos componentes da formulação ou a outras pirazolonas (ex.: fenazona, propifenazona, isopropilaminofenazona) ou a pirazolidinas (ex.: fenilbutazona, oxifembutazona) incluindo, por exemplo, experiência prévia de agranulocitose com uma destas substâncias;

– Com função da medula óssea prejudicada (ex.: após tratamento citostático) ou doenças do sistema hematopoiético;

– Que tenham desenvolvido broncoespasmo ou outras reações anafilactoides (isto é urticária, rinite, angioedema) com analgésicos tais como salicilatos, paracetamol, diclofenaco, ibuprofeno, indometacina, naproxeno;

– Com porfiria hepática aguda intermitente (risco de indução de crises de porfiria);

– Com deficiência congênita da glicose-6-fosfato-desidrogenase (G6PD) (risco de hemólise);

– Gravidez e lactação;

Este medicamento também é contraindicado para menores de 3 meses de idade ou pesando menos de 5 kg e, especificamente para a solução injetável, o remédio não deve ser aplicado em crianças com idade entre 3 e 11 meses ou pesando menos de 9 kg.

Principais efeitos colaterais

Os efeitos adversos mais comuns para pessoas que tomam dipirona é dor no estômago ou intestino, má digestão, diarreia, coloração avermelhada da urina, arritmia cardíaca, ardência ou urticárias.

O remédio também pode causar reações alérgicas graves e até choque anafilático. Nesses casos, a recomendação é procurar atendimento médico urgente. Outros efeitos raros são dificuldade para respirar, tosse, inchaço na boca, língua ou rosto, vermelhidão ou formação de bolhas na pele.

O efeito mais grave é a agranulocitose, uma diminuição dos glóbulos brancos no sangue. As células participam da defesa do organismo, e a queda nos níveis pode deixar o corpo suscetível a infecções. Os principais sintomas neste caso são feridas na boca, febre, calafrio e prostração.

Fonte: Metrópoles