É comum que o mau hálito seja associado ao simples ato de não escovar bem os dentes ou a língua. Apesar disso, poucos sabem que a halitose (nome dado a esse odor desagradável) é uma condição que pode ter cerca de 60 causas diferentes, sendo 90% dos casos com origem na cavidade bucal. A informação é da Associação Brasileira de Halitose (Abha).
De acordo com a entidade, até 30% dos brasileiros sofrem com o hálito fétido, outro nome para a condição. O número representa 50 milhões de pessoas. Com um número tão expressivo, desde 2002, é celebrado no país o Dia Nacional da Saúde Bucal, em 25 de outubro, para lembrar a importância deste autocuidado.
“É essencial destacar que a halitose pode ser controlada. Para isso, é essencial seguir corretamente o cuidado com a higiene bucal. Quando a condição é originada por problemas gastrointestinais, o tratamento pode se dar a partir de medicamentos. Neste caso, é importante acompanhando médico”, explica Luana Souza, cirurgiã-dentista e professora do curso de auxiliar em saúde bucal do Centro de Ensino Técnico (Centec).

Causas

Segundo a profissional, a principal causa da halitose está ligada à falta de correta higienização da cavidade bucal. Neste caso, principalmente da região lingual e da falta do uso de fio dental. “Essa falta de cuidados pode gerar a chamada saburra lingual (língua branca), que são restos de células e bactérias que estão presentes na boca e causam também o hálito fétido”.
Além da falta de cuidados na higiene bucal, a halitose pode surgir a partir de gengivite e periodontite (inflamação das gengivas); xerostomia (diminuição do fluxo salivar) amigdalite (infecção das amígdalas); ingestão de alimentos como alho e cebola; uso de tabaco e álcool, boca seca; e doenças sistêmicas como câncer, diabetes e problemas no fígado e rins.

Dicas de higiene

A melhor maneira de combater o mau hálito é com a correta higienização da saúde bucal. Com uma escova padrão, pode-se eliminar restos de alimentos e evitar a proliferação de bactérias.
“Sempre passe a escova na parte da frente e de trás dos dentes, no céu da boca e na língua. Faça sempre movimentos curtos, de dentro para fora, como se estivesse ‘varrendo’ as impurezas”, explica a professora do Centec.
É importante ter em mente que só escovar os dentes nem sempre é o bastante. “Além da escovação, é imprescindível o bom uso de fio dental, a limpeza da língua com a remoção da ‘massa branca’, e realização de bochecho com produtos antissépticos. Por último, evitar estresse, cigarro e bebidas alcoólicas”, orienta a cirurgiã-dentista.

Foto: Freepik