Ensaios clínicos pediátricos estão sendo realizados no país com as vacinas Abdala e Soberana 02.

Cuba anunciou nesta quarta-feira, 15, que a partir de setembro imunizará contra a Covid-19 a população entre 3 e 18 anos de idade, com duas das cinco vacinas experimentais desenvolvidas por instituições científicas da ilha para enfrentar a pandemia. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro cubano, Manuel Marrero, durante um pronunciamento televiso, no qual também ratificou a projeção do governo de vacinar a população com mais de 19 anos de idade antes do final de 2021. No momento, dois ensaios clínicos pediátricos estão sendo realizados no país caribenhos, um deles com Abdala, a primeira vacina latino-americana contra o coronavírus, que foi projetada pelo Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB). A Abdala mostrou 92,2% de eficácia em ensaios clínicos e tem autorização de uso emergencial do Centro de Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (Cecmed), a autoridade reguladora cubana. O ensaio com três doses da vacina incluirá a partir desta quinta-feira, 592 crianças e adolescentes voluntários de 3 a 18 anos que vivem em áreas urbanas do município de Camagüey, na província de mesmo nome, no centro-oeste de Cuba.

Outra vacina experimental da ilha, a Soberana 02, está sendo testada atualmente em um ensaio pediátrico chamado Soberana-Pediatria, que iniciou a aplicação da segunda injeção em um grupo de 25 adolescentes entre 12 e 18 anos de idade. A combinação de duas doses de Soberana 02 com uma dose de reforço de Soberana Plus mostrou em análises preliminares uma eficácia de 91,2% para enfrentar o coronavírus, de acordo com o Instituto Finlay de Vacinas. Nesta quarta, Marrero afirmou que quase 60% da população cubana estará totalmente vacinada até o final de agosto e 80% terá pelo menos uma dose de suas vacinas inoculadas até lá. Ele também garantiu que não há dificuldade para que toda a população de Havana acima de 19 anos de idade seja totalmente imunizada com as três doses ainda neste mês.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece que, para que um imunizante seja considerado vacina, ele deve demonstrar uma eficácia igual ou superior a 50%. A Abdala e a Soberana 02 já foram administrados a dezenas de milhares de cubanos sob a figura dos estudos de intervenção sanitária e em paralelo aos ensaios clínicos. Cuba não é membro do mecanismo Covax, que foi criado para dar aos países de média e baixa renda acesso às vacinas, nem as adquiriu no mercado internacional. Cuba não é o primeiro país a vacinar crianças. Os Estados Unidos vacina adolescentes a partir dos 12 anos desde maio. Itália, Reino Unido, Israel, Hungria, San Marino, Áustria, Suíça e Lituânia também já vacinam essa faixa etária. Outros países como Chile, Canadá, Japão e Hong Kong já aprovaram a imunização para crianças e adolescentes, mas ainda não iniciou o calendário infantil.

Fonte: JP Noticias