Pesquisadores identificaram nova cepa em dezembro no ano passado. Eles afirmam que, até aqui, apenas 12 casos foram encontrados.

O Instituto Mediterrâneo de Infecção do Centro Hospitalar Universitário (IHU) identificou uma nova variante na França. Denominada de B.1.640.2., a cepa tem 46 mutações e apenas 12 casos foram detectados até agora no país.

A nova mutação foi descrita em artigo publicado na plataforma medRxiv em versão pré-print, que ainda precisa passar pela revisão de pares, em 10 de dezembro de 2021. Os cientistas afirmam, entretanto, que a descoberta não é motivo para alarme, pois até agora a nova variante não apresenta sinais de que seja mais perigosa que as outras cepas do vírus.

Um conjunto de 12 casos da B.1.640.2 foram confirmados perto da área de Marselha, no sul da França. Os cientistas definem a nova variante como uma “combinação atípica” com 46 mutações e 37 supressões.

“Nós realmente temos vários casos desta nova variante na área geográfica de Marselha. A denominamos de variante IHU. Dois novos genomas acabam de ser apresentados”, escreveu o professor Philippe Colson, chefe do departamento que descobriu a cepa.

De acordo com o artigo, o primeiro caso foi de um homem totalmente vacinado que havia retornado em novembro de uma viagem a Camarões, na África. Ele teria apresentado apenas sintomas respiratórios leves.

Mutações da nova variante

Testes laboratoriais mostraram que a nova variante possui a mutação E484K, que torna o vírus mais resistente às vacinas, e a mutação N501Y, originalmente descoberta na variante Alpha, associado a maior transmissibilidade. Os cientistas afirmam que ainda é cedo para especular sobre as características virológicas, epidemiológicas ou clínicas da variante.

“O achado mostra, mais uma vez, a imprevisibilidade do aparecimento de novas variantes de Sars-CoV-2 e da sua introdução a partir do exterior”, registraram os autores da pesquisa.

Fonte: Metrópoles