O governo da Índia cancelou a exportação das vacinas contra o coronavírus que estão sendo produzidas no país, entre elas a vacina da universidade de Oxford/AstraZeneca, que está sendo produzida no laboratório Serum Institute, na Índia.

Isso significa que o Brasil poderá ficar sem as três milhões de doses do imunizante que deveriam chegar ao País nas próximas semanas. O cancelamento das exportações por parte da Índia pode comprometer o plano de vacinação criado pelo governo Federal.

O CEO do Serum Institute, Adar Poonawalla, disse que o governo da Índia não permitirá que as vacinas sejam exportadas nos próximos meses. O CEO acrescentou que todos os imunizantes fabricados na Índia serão usados para vacinar o povo indiano.

A previsão é que as exportações sejam liberadas apenas em abril, revelou Adar Poonawalla.

Com a notícia do cancelamento da chegada da vacina da universidade de Oxford, o governo brasileiro tenta uma saída diplomática junto ao governo da Índia para liberar o imunizante.

A proposta do Ministério da Saúde do Brasil era começar a vacinação dia 8 de fevereiro, mas com o cancelamento das exportações, o plano segue indefinido.

Na Índia existe uma forte pressão popular para que o governo não libere a exportação das vacinas até que a maior parte da população seja imunizada. Essa pressão popular está fazendo as autoridades indianas a cancelar as exportações, entre elas a que viria para o Brasil.