O abacate é um alimento rico em fibras dietéticas e ácidos graxos monoinsaturados, que são gorduras saudáveis para o coração. Mas além de seus benefícios populares, pessoas que consomem abacates diariamente têm uma abundância de bactérias intestinais que quebram as fibras e produzem metabólitos que auxiliam na saúde intestinal.

Essa foi a conclusão de um estudo publicado no The Journal of Nutrition em 17 de agosto, cujo objetivo era avaliar o consumo de abacate na microbiota gastrointestinal, além de realizar análises para avaliar as relações entre a microbiota fecal, metabólitos e marcadores de saúde.

“Sabemos que comer abacate ajuda você a se sentir saciado e reduz a concentração de colesterol no sangue, mas não sabíamos como isso influenciava as bactérias intestinais”, disse Sharon Thompson, uma das autoras do estudo e estudante de graduação na Divisão de Ciências Nutricionais da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

Como o estudo foi feito

Foram selecionadas 163 pessoas adultas entre 25 e 45 anos de idade;

Os participantes tinham sobrepeso ou obesidade, mas não apresentavam nenhum outro problema de saúde;

Eles receberam uma refeição por dia para consumir em substituição ao café da manhã, almoço ou jantar.

Um grupo consumiu um abacate em cada refeição, enquanto o grupo controle consumiu uma refeição semelhante, mas sem o abacate.

Os participantes fizeram exames de sangue, urina e amostras fecais ao longo do estudo de 12 semanas;

Eles também relataram quanto das refeições consumiam e a cada quatro semanas faziam esse registro.

Enquanto outras pesquisas sobre o consumo de abacate se concentram na perda de peso, os participantes deste estudo não foram aconselhados a restringir ou alterar o que comiam. Em vez disso, consumiram suas dietas normais, com exceção de substituir uma refeição por dia pela refeição fornecida pelos pesquisadores.

Quais foram os resultados?

Os pesquisadores descobriram que o grupo do abacate consumiu mais calorias do que o grupo controle, porém um pouco mais de gordura foi excretada nas fezes.

“Maior excreção de gordura significa que os participantes da pesquisa estavam absorvendo menos energia dos alimentos que ingeriam. Isso provavelmente se devia às reduções nos ácidos biliares, que são moléculas que nosso sistema digestivo secreta e que nos permitem absorver gordura. Descobrimos que a quantidade dos ácidos biliares nas fezes foram menores e a quantidade de gordura nas fezes foi maior no grupo do abacate”, explica Hannah Holscher, autora sênior do estudo e professora assistente de nutrição no Departamento de Ciência dos Alimentos e Nutrição Humana da Universidade de Washington.

Por que este estudo é importante?

Um abacate médio fornece cerca de 12 gramas de fibra, o que ajuda a atingir a quantidade recomendada de 28 a 34 gramas de fibra por dia. “Assim como pensamos em refeições saudáveis para o coração, também precisamos pensar em refeições saudáveis para o intestino e como alimentar a microbiota”, explica Holscher.

Fonte: ViverBem