Gripe provocada pelo vírus H3N2 pode levar à hospitalização em UTI e morte entre os que não estão vacinados.

A circulação do vírus H3N2 – um dos causadores da Influenza A – está preocupando especialistas em saúde pública. Apesar de ser um vírus típico do inverno, o Brasil está verificando aumento de casos e a cidade do Rio de Janeiro vive um surto da doença.

A alta na incidência do vírus está associada à maior circulação de pessoas e ao relaxamento das medidas de proteção adotadas durante a pandemia de Covid-19. A situação é agravada pela baixa adesão da população às campanhas de vacinação contra a gripe.

De acordo com o infectologista Alberto Chebabo, da rede de diagnósticos Dasa, a última vez que o vírus circulou com a atual intensidade no Brasil foi no inverno de 2019. “As pessoas voltaram às suas vidas quase que na normalidade e isso faz com que se tenha uma exposição maior ao H3N2. Associado a isso, a gente tem uma baixa adesão às vacinas”, afirmou o médico, durante encontro virtual com jornalistas, na terça-feira (7/12).

Por que é necessário tomar a vacina contra gripe anualmente?

Em um processo semelhante ao que ocorre com o vírus Sars-CoV-2, os dois vírus causadores da Influenza (H1N1 e H3N2) sofrem mutações e as vacinas são atualizadas anualmente para garantir que a população permaneça protegida.

Com o aumento dos casos de gripe e o relaxamento das medidas de proteção, especialistas temem que a população negligencie os sintomas, aumentando as chances de circulação tanto dos vírus causadores da Influenza como da Covid-19.

“Em geral, não tem como diferenciar os sintomas. É por isso que a gente insiste que as pessoas tomem a vacina contra a Influenza. Agora temos a Influenza circulando fortemente no país, junto com outros adenovírus que causam sintomas iguais”, afirma a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai.

Para se proteger da Influenza, a medida número 1 é a vacinação. O uso de máscaras, a higienização frequente das mãos e o distanciamento social também são importantes.

Como diferenciar os sintomas de Influenza e Covid-19?

A gripe e a Covid-19 apresentam sintomas muito semelhantes. A infecção pelos vírus H3N2 e H1N1 provoca tosse seca, dor de garganta, espirros, coriza, febre, calafrios, dor de cabeça, falta de ar, fraqueza e dor muscular. Ao contrário da Covid-19, ela não costuma causar perda de olfato ou paladar.

As crianças de até 5 anos, os idosos e as pessoas com a imunidade debilitada são as que correm maior risco de a doença se agravar, o que pode levar a internações em unidade de terapia intensiva (UTI) e à morte.

Entre as crianças, o quadro pode evoluir para pneumonia e otite, por exemplo. Já nos idosos, a Influenza pode descompensar doenças de base e levar à morte, principalmente entre os com mais de 70 anos.

O diagnóstico da Influenza e da Covid-19 é feito pelo mesmo exame, o PCR por meio da coleta de swab de nasofaringe, o exame do cotonete.

Está com sintomas? Saiba o que fazer:

Os cuidados para evitar a transmissão da Influenza são muito semelhantes aos adotados com a Covid-19. As pessoas com sintomas gripais devem:

Ausentar-se do trabalho ou da escola para evitar expor outras pessoas;

Permanecer em isolamento por um período entre 10 e 14 dias;

Usar máscara se precisar sair;

Higienizar frequentemente as mãos.

“A recomendação é que todos busquem se vacinar o mais breve possível contra a Influenza e estejam com a vacina da Covid em dia. Diante de qualquer sintoma respiratório, é importante cumprir a quarentena necessária”, afirma Isabella.

Fonte: Metrópoles