Imagens obtidas pelo Fantástico mostram um ângulo diferente das agressões brutais e da imobilização do cidadão negro, que duraram mais de cinco minutos.

Novas imagens das câmeras de segurança de uma unidade do Carrefour de Porto Alegre mostram por outro ângulo a confusão antes do assassinato brutal de João Alberto Silveira Freitas por dois seguranças na noite de quinta-feira (19). Para assistir clique aqui.

João Alberto, de 40 anos, foi espancado e morto na véspera do Dia da Consciência Negra.

No novo vídeo, obtido pelo “Fantástico” neste sábado (21), é possível ver toda a sequência do espancamento:

  • João Alberto é conduzido  por dois seguranças e dá um soco em um dos funcionários.
  • Os funcionários reagem.
  • Ele é agarrado e começa a ser agredido com chutes e socos, resistindo ainda de pé à tentativa de imobilização.
  • Quinze segundos depois, um segurança pega uma das pernas de João Alberto e o derruba pela primeira vez.
  • João Alberto fica de cócoras, com um segurança agarrado às suas costas enquanto outro dá socos em sequência em sua cabeça. A cena é acompanhada por uma funcionária não identificada.
  • Após levar uma primeira série de socos na cabeça, João Alberto tem dificuldade para se defender e passa a ser agredido com socos no abdômen. Ele é atingido ainda por uma joelhada na cabeça.
  • Quase um minuto depois, outros homens uniformizados se aproximam e agem como se parte da equipe de segurança da loja.
  • Um outro homem, sem uniforme e não identificado, chega e faz um gesto pedindo calma. João Alberto permanece imobilizado de cócoras .
  • Na sequência, João Alberto passa a ser mantido deitado no chão por três pessoas. O espancamento continua com mais socos na cabeça, inclusive desferidos por um terceiro homem que não tinha participado do começo das agressões.
  • Depois de João Alberto ser espancado por mais de 1 minuto e meio, a mulher dele se aproxima e tenta impedir as agressões contra o companheiro, que permanecia no chão. Um funcionário, não identificado, a puxa e tenta afastá-la.
  • Os seguranças permanecem sobre o corpo de João Alberto, que é espremido de peito contra o chão.
  • Um dos funcionários fica com o joelho nas costas de João Alberto, perto do pescoço.
  • João Alberto para de se mexer depois de mais de quatro minutos de agressão, sendo três deles sufocado e imobilizado com o joelho de um dos seguranças perto do seu pescoço.

Fonte: G1