“São Paulo trabalha com planejamento e senso de urgência para salvar vidas”, diz Doria. Vacina ainda não tem registro na Anvisa.

Instituto Butantan recebeu, nesta quarta-feira (30/12), mais 1,5 milhão de doses da vacina Coronavac contra Covid-19. O imunizante veio da China, país sede do laboratório Sinovac, que produz o imunizante em parceria com o instituto ligado ao estado de São Paulo.

Este é o segundo carregamento que chega a São Paulo esta semana. Desde novembro, o estado vem recebendo doses e insumos da vacina. Com o material recebido nesta quarta, o estado alcança a meta de ter 10 milhões de doses antes de janeiro de 2021.

No Aeroporto de Cumbica para receber a carga, o governador João Doria (PSDB) voltou a polarizar com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a quem acusa de morosidade no enfrentamento da pandemia.

“Acabamos de receber um novo lote da vacina do Butantan contra o coronavírus. Temos agora 10 milhões e 800 mil doses da vacina em solo brasileiro. São Paulo trabalha com planejamento e senso de urgência para salvar vidas”, disse.

A vacina, no entanto, ainda não tem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na noite de quarta-feira (23/12), o Instituto Butantan anunciou que a Coronavac apresentou, na terceira fase de testes, eficácia acima dos níveis exigidos pela agência brasileira e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Anvisa considera o mínimo de 50% de eficiência para que um imunizante contra o novo coronavírus seja autorizado para uso em território brasileiro.

De acordo com Butantan, o adiamento ocorreu porque a Sinovac resolveu unificar os dados dos testes feitos no Brasil, na Indonésia e Turquia, o que pode levar 15 dias. A consolidação e a análise de dados são critérios exigidos pela agência de regulação de medicamentos da China.

Fonte: Metrópoles