Documentos enviados à CPI da Covid mostram que ministério prometeu verba para adaptação da fábrica, mas recurso não chegou.

Ofícios encaminhados pelo Instituto Butantan à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado mostram que o instituto solicitou recursos ao governo federal para permitir a realização de testes da vacina e de adaptações da fábrica para produzir o imunizante, mas não foi atendido.

A CPI ouvirá nesta quinta-feira (27/5) o diretor do instituto, Dimas Covas. O depoimento deve tratar sobre a produção e cronogramas de vacinas contra a Covid-19 e a relação entre atrasos na entrega do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) e críticas de membros do governo Jair Bolsonaro à China.

O Butantan desenvolve a Coronavac, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, que é responsável por 65% das doses de vacinas aplicadas no Brasil, segundo o Localiza SUS, plataforma do Ministério da Saúde.

O imunizante começou a ser aplicado no país em 17 de janeiro deste ano, após muitas divergências políticas entre o governo federal e o governo de São Paulo, ao qual o Butantan é ligado.

Os dois ofícios foram encaminhados por Covas ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em 18 de agosto do ano passado. Nos documentos, o Butantan explicava que a nova fábrica iria utilizar um prédio já edificado, mas que precisava de readequações e pequenas reformas, além de equipamentos necessários à produção de vacinas.

O valor estimado era de R$ 156 milhões, dos quais R$ 96 milhões seriam via doações e R$ 60 milhões estariam em aberto. “Permito-me solicitar a especial análise de Vossa Excelência, a fim de que seja concedida a verba retro mencionada pelo Ministério da Saúde, com repasse à Fundação Butantan, fundação de apoio ao Instituto Butantan, a quem cumprirá realizar o projeto”, diz o ofício.

Um segundo documento tratava do orçamento para financiar testes clínicos: do total de R$ 130 milhões, R$ 45 milhões seriam contemplados por doações. O ofício também pede apoio financeiro do governo federal para complementar os gastos.

Os pedidos foram feitos poucos dias após uma visita de secretários e assessores especiais do ministério ao instituto.

Recursos não foram enviados

Apesar das solicitações feitas à pasta, o Butantan alega que recebeu somente recursos provenientes do fornecimento da vacina contra o novo coronavírus.

“Até o momento, o Instituto Butantan recebeu, por meio de sua fundação de apoio (Fundação Butantan), apenas recursos provenientes do fornecimento da vacina contra o novo coronavírus”, informou a assessoria do instituto na quarta-feira (26/5).

“A fábrica que produzirá a vacina em sua integralidade, incluindo o Ingrediente Farmacêutico Ativo, recebeu recursos exclusivos de doações da iniciativa privada, superiores a R$ 190 milhões. As obras devem ser concluídas em setembro.”

Em setembro de 2020, o governo de São Paulo chegou a anunciar que o envio de R$ 80 milhões pelo governo federal para ajudar a financiar a reforma da fábrica. No entanto, segundo o Butantan, isso não ocorreu.

Documento

Fonte: Metrópoles