Doses foram entregues ao governo federal. Fábrica assume produção de vacina da gripe enquanto aguarda 10 mil litros de insumos da China.

O Instituto Butantan entrega, nesta sexta-feira (14/5), mais 1,1 milhão de doses da Coronavac ao Ministério da Saúde. Com isso, também deve suspender completamente a produção do imunizante contra a Covid-19 por falta de matéria-prima.

Segundo o instituto, a China precisa liberar um lote com 10 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para que a produção seja retomada.

A China fornece matéria-prima para a produção tanto da Coronavac, do Instituto Butantan, como da vacina de Oxford, produzida pela Fundação Fiocruz.

Até o momento, ao menos 15 estados do Brasil já suspenderam a aplicação da primeira ou segunda dose da Coronavac por falta de vacina.

De acordo com o Butantan, até que a matéria-prima tenha autorização para ser exportada ao Brasil, a fábrica responsável pela produção da Coronavac deve assumir a produção da vacina da gripe.

O diretor do Instituto, Bruno Covas, afirmou que 3 mil litros de IFA eram aguardados até este sábado (15/5), mas não há previsão de entrega do material.

“Não temos data neste momento para essa autorização. Estamos aguardando, isso pode acontecer a qualquer momento, mas por enquanto não há essa previsão”, disse Covas.

O governador de São Paulo, Joao Doria (PSDB), afirmou que com os 10 mil litros de IFA, o Butantan deve produzir aproximadamente 18 milhões de doses da Coronavac.

Ele ainda culpou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo entrave. Recentemente, Bolsonaro sugeriu que a China tivesse criado o coronavírus em um “laboratório”.

A Coronavac é responsável por aproximadamente 75% das vacinas contra a Covid-19 aplicadas no Programa Nacional de Imunização (PNI), do governo federal.

Fonte: Metrópoles