Expectativa é que o instituto solicite, ainda hoje, a permissão na Anvisa para o início dos testes clínicos em humanos; ao todo, 1.800 voluntários devem participar das fases 1 e 2 dos estudos.

O Instituto Butantan desenvolveu uma fórmula própria de um novo possível imunizante contra a Covid-19. A expectativa é que a entidade, ligada ao governo do Estado de São Paulo, solicite à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta sexta-feira, 26, permissão para iniciar os testes clínicos em humanos. Até o momento, o Palácio dos Bandeirantes não adiantou nenhuma informação sobre a solicitação mas uma coletiva de imprensa está agendada para acontecer ainda hoje. Atualmente, o Butantan já é responsável pela fabricação da CoronaVac, vacina desenvolvida em parceria com a farmacêutica Sinovac, usando o insumo farmacêutico ativo vindo da China. Agora, a principal diferença do novo imunizante, já batizado de Butanvac, é que o instituto será o principal produtor, com 85% da capacidade total do fornecimento.

Antes de aprovada e disponibiliza para a população, no entanto, o novo composto terá que passar pelas fases 1 e 2 de testes para verificar a segurança com a aplicação em 1.800 voluntários. Na fase 3, que contará com a participação de nove mil pessoas, será testada a eficácia da vacina. Os testes clínicos também serão feitos nos dois outros países participantes do consórcio: Vietnã e Tailândia, onde a Fase 1 já começou. A Butanvac vai usar o vírus inativado em sua composição e, segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, a previsão é que, com os resultados positivos, o instituto produza 40 milhões de doses ainda esse ano.

Fonte: JP Noticias