A esposa de Dom Phillips, Alessandra Sampaio, informou que as equipes de buscas teriam localizado os corpos dos dois homens.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) negou que corpos tenham sido encontrados na região onde desapareceram o jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira. A Polícia Federal também contrariou essa versão.

Nesta segunda-feira (13/6), de acordo com a esposa de Dom, Alessandra Sampaio, as equipes de buscas teriam localizado os cadáveres dos dois homens. A informação foi dada por ela ao jornalista André Trigueiro, do canal de notícias GloboNews.

A APIB refutou a versão. “Organizações indígenas que acompanham o caso seguem pressionando a continuidade nas buscas. Solicitamos que aguardem uma posição oficial”, destaca em publicação no Twitter.

https://twitter.com/ApibOficial?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1536344462015680515%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fd-365094206166169728.ampproject.net%2F2205270638004%2Fframe.html

A Polícia Federal também negou que corpos tenham sido encontrados na região do desaparecimento.

“O Comitê de crise, coordenado pela Polícia Federal/AM, informa que não procedem as informações que estão sendo divulgadas a respeito de terem sido encontrados os corpos do Sr. Bruno Pereira e do Sr. Dom Phillips”, afirmou, em nota.

O texto conclui: “Conforme já divulgado, foram encontrados materiais biológicos que estão sendo periciados, e os pertences pessoais dos desaparecidos. Tão logo haja o encontro, a família e os veículos de comunicação serão imediatamente informados”.

O desaparecimento

Segundo a Univaja, Dom Phillips e Bruno Araújo Pereira se deslocavam com o objetivo de visitar a equipe de vigilância indígena que atua perto do Lago do Jaburu. O jornalista pretendia realizar entrevistas com os habitantes daquela região.

De acordo com relatos, o desaparecimento ocorreu no trajeto entre a comunidade Ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte. A dupla foi vista pela última vez no dia 5 de junho.

Ao todo, segundo a Polícia Federal, 250 agentes e dois aviões atuam nas buscas. A Justiça Federal já havia determinado que o governo acionasse helicópteros, embarcações e equipes de buscas da Polícia Federal, das forças de segurança ou das Forças Armadas para intensificar o rastreio dos desaparecidos.

Fonte: Metrópoles