Pesquisa mediu os gastos dos empresários com licenças de construção, eletricidade e pagamento de impostos.

Uma pesquisa feita pela Belo Investment Research revela que o Brasil ocupa o 6º lugar entre os 10 países sul-americanos com maiores custos para se fazer negócios em 2020. Os gastos que incidem sobre esse ambiente no Brasil só não são maiores do que na Venezuela, Uruguai, Argentina e Colômbia.

O levantamento foi feito com base no Índice Custo de Fazer Negócios (I-CFN). O indicador mede os gastos dos empresários com licenças de construção, eletricidade, execução de contratos, pagamento de impostos, registro de propriedades, resolução de insolvência, abertura de empresa e comércio internacional.

De acordo com o estudo, apenas empreendedores argentinos enfrentam custos com pagamento de impostos maiores do que os brasileiros. Se não fosse isso, o Brasil ocuparia a terceira posição entre os países sul-americanos no I-CFN.

O Sócio Diretor da Belo Investment Research, Paulino Oliveira, admite que o resultado já era, de certo modo, esperado. “O país não fez o dever de casa, adiou reformas importantes para melhorar o ambiente de negócios, como, por exemplo, a reforma tributária“, afirmou.

“Reformas que reduzem os custos do ambiente de negócios podem não só melhorar a posição do Brasil no índice, mas favorecer empresários locais, atrair mais investimentos estrangeiros, e, consequentemente, melhorar o desempenho econômico do país”, completou.

Confira o ranking completo do melhor para o pior lugar para se fazer negócios na América do Sul.

1° lugar: Paraguai

2° lugar: Equador

3° lugar: Chile

4° lugar: Peru

5° lugar: Bolívia

6° lugar: Brasil

7° lugar: Colômbia

8° lugar: Argentina

9° lugar: Uruguai

10° lugar: Venezuela

Fonte: Metrópoles