A guerra está declarada entre o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o governador de São Paulo, João Dória, após o presidente dizer que Dória é “vagabundo, caralho!”.

A frase foi dita na noite de quarta-feira (07-abr) durante encontro com empresários do setor de São Paulo.

O encontro estava na agenda oficial do presidente e aconteceu na casa de Washington Cinel, fundador da Gocil, uma das maiores empresas de segurança privada do País.

Ainda no encontro, Bolsonaro disse que Dória é um “destruidor de vidas, e que está acabando com os empregos e o comércio de São Paulo”. Os relatos foram confirmados por vários empresários que participaram da reunião.

Os xingamentos de Bolsonaro não causaram estranheza entre os convidados, que conhecem o temperamento do presidente e a relação explosiva dele com o governador paulista.

Em outro evento, dessa vez em Brasília, Bolsonaro se referiu a Dória como “esse bosta desse governador de São Paulo”.

Numa reunião ministerial ocorrida ano passado, no Palácio do Planalto, Bolsonaro abriu o verbo e classificou João Dória como “estrume”, “filho da puta” e “vai pra puta que o pariu, porra”.

A resposta de João Dória

Nesta quinta-feira, o governador de São Paulo partiu para o contra ataque. Dória disse, por meio de redes sociais, que Bolsonaro devia tomar a vacina anti-rábica, que combate a raiva em animais.

“Calma Bolsonaro! Além da Coronavac, o Butantan é especialista na vacina anti-rábica. Fique tranquilo, vou te vacinar”.