Funcionários pedem reajuste salarial de 26% e reestruturação de planos de carreira; paralisação foi deflagrada na sexta-feira, 1º.

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) informou nesta segunda-feira, 4, que irá se reunir com o governo federal nesta terça-feira, 5, e que espera uma proposta oficial para encerrar a greve iniciada na sexta-feira, 1º. O encontro está marcado para às 10h30 entre representantes do sindicato e o secretário de Gestão de Pessoas do Ministério da Economia, Leonardo Sultani. A paralisação dos servidores já afeta serviços da autarquia. O BC informou nesta manhã que suspendeu a divulgação de publicações, como o Boletim Focus, até a próxima sexta-feira, 8. “Oportunamente, informaremos as datas de suas respectivas publicações. O aviso sobre as novas datas será dado com pelo menos 24 horas de antecedência”, informou em nota.

Segundo o Sinal, a adesão dos grevistas deve chegar a 60%, e 725 comissionados já entregaram os cargos até esta manhã. A entidade que representa os trabalhadores afirma que a manutenção da greve também pode afetar outros serviços do Banco Central, como a plataforma de pagamentos instantâneos Pix e a distribuição de moedas e cédulas. Os trabalhadores pedem reajuste salarial de 26,3% e reestruturação de planos de carreira. O movimento iniciou no fim de 2021 após a indicação do governo federal de promover reajustes apenas para servidores da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Departamento Penitenciário Nacional (Depen). A sinalização levou à mobilização de diversas categorias do funcionalismo público e obrigou o Executivo recuar na decisão.

Fonte: JP Notícias