Governo estuda aplicar exames de avaliação como o Saeb, que devem fornecer dados para orientar a adoção de medidas.

O avanço da vacinação entre os mais jovens até o fim do ano deixa educadores otimistas para a volta as aulas presenciais. A retomada vai permitir que o país adote modelos de recuperação na aprendizagem, prejudicada pela pandemia da Covid-19. O governo estuda aplicar exames como o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), que devem fornecer dados para orientar a adoção de medidas. O secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Mauro Luiz Rabelo, defende o reagrupamento de turmas e o atendimento individualizado. “O que sabemos já, até agora, nos desafia na estruturação da abertura imediata dos espaços escolares, na busca ativa dos nossos estudantes e no apoio da recuperação na aprendizagem.” Ele explica que a pasta vai divulgar diretrizes a Estados e municípios para a volta as aulas. Em audiência no Senado, o presidente do Inep, Danilo Dupas, ressaltou que o Instituto já tem em mãos uma pesquisa sobre o ensino.

“Essa pesquisa permite compreender, por exemplo, as estratégias abordadas pelas escolas para continuar ensinando e avaliando os estudos da educação básicos. Os resultados podem auxiliar o MEC e os secretários estaduais a tomar acertivas decisões.” Danilo Dupas, do Inep, acrescenta que o questionário foi aplicado entre os meses de fevereiro e maio de 2021. A presidente da Capes, Cláudia Mansani, anunciou, durante a audiência, a liberação de recursos e compromisso assumido pelo ministério da Educação de apoiar bolsas de estudos no país. “A Capes já tem, como resposta do MEC, o desbloqueio de R$ 130 milhões que haviam sido contingenciados e redirecionados, agora, a bolsas no país. Tem também um compromisso do ministro Milton Ribeiro.” De acordo com Cláudia Mansani, da Capes, existem em andamento mais de 4,5 mil programas de pós graduação no Brasil. A suplementação de verbas é considerada decisiva para a manutenção dos bolsistas.

Fonte: JP Noticias