O uso do material natural pode trazer diversos benefícios para pele e auxiliar no combate de espinhas e oleosidade.

Já nem é mais novidade dizer que a argila vem ganhando espaço entre os elementos queridinhos do skincare. No entanto, vez ou outra, surge aquela dúvida: como acrescentá-la na rotina? Ou ainda, como fazer a escolha correta, uma vez que existem diferentes tipos de substância?
Bom, Sueli Szterling, terapeuta e diretora do Kurma Spa, explica que além de ter sua formação a partir dos elementos retirados da natureza, a argila é composta de sedimentos de rochas de fina granulação e conta com terra e minérios que se misturam a ela pela ação climática.

“Cada cor apresenta características particulares relacionadas com sua composição ou com a forma que suas partículas estão distribuídas. No entanto, seja qual for o tom, o composto promove limpeza, esfolia e hidrata”. Tudo que a gente mais ama, né? E tem mais, a argila ainda apresenta propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias, antissépticas e catalizadoras, com poder revigorante.

Certo! Onde e como devo usá-la?

Na pele, a recomendação é que seja sobre uma região limpa. Na sequência, é preciso fazer uma mistura contendo: uma colher de sopa de argila em pó, com água mineral. Dica: vá acrescentando aos pouquinhos, não há quantidade exata.

Também é possível adicionar à mistura florais ou óleos essenciais. O objetivo é alcançar uma textura de pasta, sendo possível aplicada com pincel ou com os dedos”, afirma Sueli.
Sua ação acontece em simultâneo com a secagem. Use água para retirá-la com movimentos circulares e leves. Ainda é interessante usar um tônico ou hidratante. “Para a pele, a argila ajuda a fechar os poros, clarear e desintoxicar a derme”, pontua.

Eis a questão: qual argila escolher?

Em um primeiro momento, a terapeuta indica uma argila mais neutra, que se adequa às mais diversas situações. “A argila branca é a mais suave. Pode ser utilizada em associação com outros tipos, conseguindo amenizar o efeito das demais, e por isso acaba sendo neutra. Além disso, estimula a produção de colágeno e elastina pela pele”, destaca a especialista.
Outros tipos bem comuns e com ótimos resultados são: as argilas verde e preta. “No caso da verde, é interessante para uso em peles oleosas e com acne, pois remove toxinas, é descongestionante e adstringente – seu principal benefício”.
Já a argila preta é mais gordurosa, então é preciso atenção com a quantidade de água para que se consiga a textura correta. Ela tem propriedades que ativam a circulação sanguínea e também possui concentração de elementos adstringentes.

Além da textura, já que a argila pode ser encontrada em pó, ou em opções cremosas, o importante é buscar por produtos que passaram por um processo de purificação. “Suas propriedades e benefícios também estão associados a essa pureza. Argilas orgânicas e certificadas são as mais indicadas”, aconselha Sueli.

Fonte: Todateen