Protesto pode ter acontecido por volta das três horas da manhã, quando ocorreu a troca de turno dos vigilantes, e está sendo entendido como reação negativa da população; mercado financeiro também não reagiu bem à medida do governo federal.

A manhã desta sexta-feira, 22, começou com reflexos dos últimos acontecimentos no Ministério da Economia, com a elevação do teto de gastos e a debandada de secretários técnicos da equipe econômica. O prédio da Pasta amanheceu sujo de tintas nas cores da bandeira do Brasil, verde, amarelo e azul. Ao total, são mais de 20 manchas em cima do nome “Ministério da Economia”, na fachada principal do edifício. A probabilidade é que a manifestação tenha sido feita com balões de festa cheios de tinta, já que, no início do dia, a equipe de segurança e limpeza do local encontrou os resquícios das bexigas no chão. Segundo os vigilantes, a ação deve ter ocorrido por volta das 3 horas da madrugada, quando ocorre a troca de turnos. O ato está sendo entendido como uma reação negativa da população contra o que ocorreu na última quinta-feira, 21, na Comissão da PEC dos precatórios, a aprovação de uma manobra de chamada de economia criativa para abrir um espaço de R$ 80 bilhões no teto de gastos para financiar o novo programa social do governo Bolsonaro, o Auxílio Brasil, que deve substituir o Bolsa Família. O mercado também não reagiu bem a essa mudança, as bolsas caíram e o dólar subiu. O teto de gastos funciona com o valor do ano anterior, medido de julho a junho somado com a inflação. Entretanto, a mudança estabelece que seja medido de janeiro a dezembro, somando à inflação.

Fonte: JP Notícias