Segundo a agência, em outros países que aplicam a dose de reforço, os governos submeteram a questão a uma avaliação prévia das autoridades sanitárias reguladoras.

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira, 16, que aplicará a dose de reforço de vacina contra Covid-19 para os brasileiros com mais de 18 anos. No entanto, mesmo com essa propaganda a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que não foi consultada pelo ministério sobre essa questão. O órgão aponta que a decisão vai contra as decisões tomadas em outros países, como Estados Unidos, Grã-Bretanha e Israel, além de membros da comunidade europeia. Esses locais submeteram a questão a uma avaliação prévia das autoridades sanitárias reguladoras, diz o órgão.

Em meio a esse impasse institucional, os laboratórios se movimentam sobre o assunto. A Janssen, farmacêutica da Johnson e Johnson, em nota, informou que um reforço de sua vacina quando dado 2 meses após a dose única faz com que os níveis de anticorpos aumentem de quatro a seis vezes. Outra análise demonstra que quando o reforço foi dado após seis meses da dose única os níveis de anticorpos aumentaram nove vezes após uma semana e continuaram a subir em 12 vezes quatro semanas depois do reforço. A Janssen explicou ainda que submeterá os dados para avaliação da Anvisa nas próximas semanas.

Mesmo com toda essa situação, várias localidades já começam a se mobilizar para aplicar a dose de reforço. Em São Paulo, já ficou definido pela prefeitura da cidade que, a partir desta quinta-feira, 18, os adultos acima de 18 anos que tomaram a segunda dose até o dia 27 de abril já podem procurar o posto de saúde para tomar a dose de reforço. E também a partir da sexta-feira, 19, quem tomou a segunda dose até o dia 17 de junho pode fazer o mesmo movimento. A lista completa de postos da capital paulista pode ser encontrada na página Vacina Sampa no site www.prefeitura.sp.gov.br

Fonte: JP Notícias