Pacientes morreram dias após tomarem vacina da AstraZeneca contra a Covid-19, o que levou a uma pausa na imunização em vários países.

Na busca por explicações para os coágulos sanguíneos pós-vacina de Oxford/AstraZeneca, pesquisadores europeus irão verificar se os pacientes que sofreram com o problema fumavam ou tomavam pílula anticoncepcional. O medicamento e o cigarro são conhecidos pela relação com a formação de coágulos e podem ter contribuído para as mortes.

Até o momento, foram registrados menos de um caso de coágulos sanguíneos a cada um milhão de doses aplicadas da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca. O risco de coágulos entre mulheres que tomam pílula é de um a cada 1.600, por exemplo.

Vários países decidiram parar a aplicação da vacina após a morte de pacientes que receberam a imunização. Porém, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a agência regulatória europeia (EMA) concluíram, depois de uma revisão sobre os casos, que não é possível fazer uma ligação entre os coágulos e o imunizante. As entidades afirmam que a vacina é segura e eficaz, e que os benefícios são muito maiores do que os riscos.

Após a decisão, as vacinas voltaram a ser aplicadas.

Fonte: Metrópoles