Militares americanos deixaram o Afeganistão nesta terça-feira (31/8), encerrando a guerra mais longa da história dos EUA.

Antes de deixar o aeroporto de Cabul, capital do Afeganistão, na madrugada desta terça-feira (31/8), o Exército americano destruiu aviões, blindados e o sistema de defesa antimísseis. A saída dos militares encerra a guerra mais longa da história dos Estados Unidos, que durou quase 20 anos.

Foram “inabilitados” 73 aviões, 70 veículos blindados resistentes a minas terrestres — que valem US$ 1 milhão cada um — e 27 Humvees (veículos multifunções), segundo o general Kenneth McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, órgão responsável pelas operações militares do país no Oriente Médio. As informações são do portal G1.
McKenzie afirmou que o último aparelho a ser inutilizado foi o sistema de defesa antimísseis, que na segunda-feira (30/8) deteve cinco foguetes disparados pelo grupo terrorista Estado Islâmico contra o aeroporto. “Decidimos deixar esses sistemas funcionando até o último minuto”, disse o general.

História

Os EUA invadiram e ocuparam o Afeganistão meses após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.
Com a retirada das tropas americanas, o Talibã retomou o controle do aeroporto e celebrou o fim da ocupação americana com tiros para o alto.

“Parabéns ao Afeganistão. Esta vitória pertence a todos nós”, afirmou o porta-voz do grupo extremista, Zabihullah Mujahid.

Desde que o Talibã tomou o controle de Cabul, em 15 de agosto, o país entrou em colapso, temendo a interpretação ultraconservadora da lei islâmica.
Em maio, integrantes do Talibã começaram a agir para estender sua área de controle, buscando dominar sul, norte e parte do oeste do país. A estratégia usada foi a de conquistar capitais de províncias, até chegar às grandes cidades.

A tomada pelo grupo terrorista ocorreu antes do previsto e antes mesmo da retirada das tropas americanas da região.

Fonte: Metrópoles