Setor busca reduzir os riscos ao fornecimento de luz até o fim do período seco e início do período chuvoso, previsto para novembro.

A Aneel aprovou a campanha do uso consciente de energia elétrica diante da crise hídrica. A proposta será analisada em reunião nesta quarta-feira, 7, pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, presidido pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. A Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou a estratégia de comunicação para a economia e a explicação das bandeiras tarifárias em razão do pior regime de chuvas dos últimos 91 anos. O setor elétrico busca reduzir os riscos ao fornecimento de luz até o fim do período seco e início do período chuvoso, previsto para novembro.

A Aneel considera imprescindível reforçar os esclarecimentos à sociedade sobre o uso consciente de energia e seus efeitos práticos. A campanha deve durar de agosto a novembro, realizada de forma obrigatória pelas distribuidoras de energia elétrica, que deverão contratar agências para inserções em TV e rádio. O custo não definido será bancado pela postergação das contribuições das distribuidoras ao Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel). A sugestão é da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica, que justifica que o setor não têm recursos para pagar a campanha. A Abradee avalia que um projeto nacional nos moldes de 2015 custará entre R$ 60 a R$ 80 milhões para o período de seis meses.

Fonte: JP Noticias