Pesquisa indica que a prática é mais eficiente que apenas reduzir a quantidade de calorias ingeridas por dia.

De acordo com uma apresentação realizada na conferência anual da Obesity Society, ter uma dieta com estimulação proteica combinada com jejum intermitente potencializa a perda de gordura abdominal. A pesquisa ainda indica que a prática se torna mais eficiente do que reduzir o consumo de calorias.

No estudo, pesquisadores do Skidmore College, de Nova York, estudaram, durante oito semanas, um grupo de 40 adultos que estavam acima do peso. Nesse período, metade dos participantes receberam uma dieta na qual comeram refeições ricas em proteínas (pelo menos 25g a 35g) quatro vezes ao dia e, a outra metade, tinha uma dieta baseada na redução de calorias.

No primeiro grupo, as refeições incluíam suplementos proteicos, como barras e shakes. Além disso, os próprios participantes foram instruídos a preparar receitas sugeridas pelos pesquisadores, concentradas em fontes de proteína de alta qualidade, como frango, peixe, ovos, iogurte grego, grão de bico, quinoa e tofu.

Quanto ao jejum, grupo jejuava uma ou duas vezes por semana nas primeiras quatro semanas e uma vez a cada sete dias nos demais dias.

A outra metade, no entanto, seguiu uma dieta saudável para o coração e com foco na redução de calorias. O grupo ingeria uma média de 1.200 a 1.500 calorias por dia, incluindo 20g a 30 gramas de fibra, além de limitar a ingestão de gordura a menos de 35% de suas calorias diárias. Eles não receberam suplementos, mas receberam uma bolsa de alimentos e receitas.

Ao finalizar a pesquisa, o estudo concluiu que todos os grupos perderam peso. O grupo de estimulação proteica e que fez jejum perdeu, significativamente, mais peso no geral, apesar de reduzir suas calorias aproximadamente na mesma quantidade.

Os pesquisadores também descobriram que eles [o primeiro grupo] perderam mais gordura corporal – cerca de 6% a mais de sua massa gorda total, em média – em comparação com os participantes focados apenas em cortar calorias.

De acordo com Paul Arciero, principal pesquisador do estudo e professor de saúde do Skidmore College, os resultados da pesquisa ainda sugerem benefícios metabólicos do jejum quando combinado com estimulação proteica.

“Com o jejum intermitente, as pessoas geralmente são orientadas a não se preocupar com o que estão comendo, apenas quando estão comendo”, disse Arciero à revista Insider. “Se você prestar mais atenção à qualidade das calorias que as pessoas comem, é uma virada de jogo.”

Além disso, ainda há evidências de que uma dieta rica em proteínas pode ajudar na perda de peso. Isso acontece porque a proteína consome mais energia para digerir do que outros macronutrientes, como carboidratos e gordura.

Fonte: Metrópoles