Brasil aguarda 2 milhões de doses do imunizante que seriam importados do laboratório.

Um incêndio atingiu, na tarde desta quinta-feira, 21, no horário local, a sede do Insitituto Serum em Pune, na Índia. O local é um dos maiores produtores de vacina do mundo e atualmente trabalhava com o imunizante da Universidade de Oxford/AstraZeneca. Segundo o jornal local Times of India, o fogo não afetou as doses do imunizante. Ainda não há informações sobre vítimas. De acordo com a Asian News International (ANI), as chamas teriam atingido apenas dois andares do Terminal 1 e cerca de 10 bombeiros foram chamados. O fogo teria começado na fábrica de Manjri e o prédio foi desocupado. O fogo deve apagado em uma hora.

“Obrigado a todos por sua preocupação e orações. Até agora, o mais importante é que não houve perda de vidas ou ferimentos graves devido ao incêndio, apesar de alguns andares terem sido destruídos”, disse Adar Poonawalla, CEO da empresa. O Brasil tenta importar dois milhões de doses da vacina já aprovada pela Anvisa a pedido da Fiocruz — mas encontra dificuldades na logística. Na semana passada, o governo federal chegou a preparar um avião para buscar o imunizante, mas o voo foi cancelado.

Na época, foi estipulado que entrega demoraria mais 15 dias para acontecer. A Índia anunciou que começou a exportar vacinas contra a Covid-19 para Bangladesh, Butão, Ilhas Maldivas, Ilhas Seychelles, Mianmar e Nepal a partir da quarta-feira, 20. A nota divulgada pelo governo também mencionava a intenção de enviar doses do imunizante para o Afeganistão, Ilhas Maurício e Sri Lanka após a conclusão de alguns procedimentos burocráticos.

O Brasil, no entanto, não é citado nenhuma vez ao longo do texto, apesar do presidente Jair Bolsonaro ter afirmado que nos próximos dias uma aeronave buscaria duas milhões de doses adquiridas do laboratório indiano Serum, que manufatura a fórmula desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. O Instituto Serum é o maior fabricante de vacinas do mundo em volume e vendas. A empresa iniciou a produção do imunizante britânico antes de obter a aprovação, o que permitiu estocar cerca de 100 milhões de doses até agora.

Fonte: JP Noticias