A Delegacia da Criança registrou um B.O contra a mãe por ter submetido a filha a situação de vexame e constrangimento

A mãe de uma criança de oito anos que “viralizou nas redes sociais”, após ser filmada dançando em cima de um carro pode perder a guarda da filha, segundo a delegada Joyce Coelho, da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca). “Registramos um Boletim de Ocorrência, pelo fato de a mãe ter submetido a criança, que estava sob sua guarda, à vexame e constrangimento”, disse a autoridade policial.

Conforme Coelho, a mãe da criança, uma mulher de 24 anos, que não teve a identidade divulgada, informou à polícia que teria levado a filha a um evento situado no bairro Novo Aleixo, na Zona Norte de Manaus, para celebrar o aniversário da pequena, que acontece nesta quinta-feira (27).

A mulher pôs a vítima em cima do veículo, ainda de acordo com a delegada. “A mãe disse que não foi por maldade e que a criança gosta de dançar funk. A criança teria pedido para ser colocada no carro e foi incentivada por populares”, afirmou Coelho.

O caso será encaminhado à Justiça, segundo a autoridade policial. “Será decidido o que for melhor à criança”.

O pai compareceu à Depca na tarde de terça-feira (25) e disse ter interesse na obtenção da guarda da filha. Ele e a mãe da criança são separados. 

Segundo Coelho, a mãe afirmou que não imaginava a repercursão que o caso teria. “O evento resultou na super-exposição desnecessária da criança”, relatou a delegada.


Alerta aos pais

A mãe prestou depoimento, na unidade policial, na quarta-feira (26). De acordo com Coelho, a criança disse à polícia que ficou triste com a repercusão. “É uma criança, que dançou ao julgar que aquilo era um ato inocente. Infelizmente, ela estava fazendo poses sensuais, incentivada por adultos”, afirmou a delegada.

A autoridade policial alertou aos pais para que não levem crianças a locais inadequados às idades dos filhos. “A criança tem que viver a infância.Ela não pode ultrapassar as fases da vida, que têm de ser vividas de acordo com seu desenvolvimento”

Fonte : A crítica